RSS

Orfandade

O mundo está cheio de órfãos. Órfãos de pais, de filhos, de afeto, de atenção... órfãos de tudo!!

“Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.” (João 14:18)

 

Quando se fala em orfandade, logo nos lembramos de coisas extremamente negativas. Por isso, um dos textos bíblicos pelos quais sou apaixonado é o que utilizei na abertura deste artigo. E, justamente por considerá-lo uma das pérolas de maior valor das Escrituras Sagradas, se é que posso fazer tal afirmação já que todos trazem lições assaz relevantes para nós, quero compartilhar com você algumas das reflexões que podemos fazer a respeito dele e dos ensinamentos preciosos que ele traz.

Para isso, convido-o a pensar comigo na palavra orfandade e em suas implicações, pois, como afirmei na introdução, ela nos remete a algo ruim. Vamos lá?

Em primeiro lugar, vale lembrar que ser órfão significa não ter o pai e a mãe ou pelo menos não ter um dos dois genitores. Assim, quando Jesus diz aos discípulos que não os deixaria órfãos, está declarando que eles não ficariam sem pai. Enquanto esteve com eles, o Senhor lhes foi como um pai. Basta lembrar que em João 10:30 ele fala: “Eu e o Pai somos um”. Logo, entendemos que o Mestre assumiu esse papel durante o período de tempo que esteve aqui na terra.

Em segundo lugar, é importante recordar que a ausência dos pais gera nos filhos os sentimentos de solidão, de vazio, de insegurança, de abandono, de medo quanto ao que há de acontecer. Enfim, passam a se sentir perdidos como um barco à deriva num mar tempestuoso.

Em terceiro lugar, um órfão se sente como um marinheiro que não tem um porto seguro onde possa atracar o seu navio. Sente-se um pássaro sem árvore e sem ninho onde possa repousar depois de um dia de vôos, de caçadas e de fugas de implacáveis predadores. Ao dizer isso, passei a pensar em mim mesmo, pois perdi meus pais há muitos anos e até hoje há situações nas quais me sinto desse modo. Tenho vontade de compartilhar alegrias e tristezas com eles, mas não os tenho por perto. Tenho vontade de sentar-me ou deitar-me em seu colo para desabafar ou rir, porém não me é possível fazê-lo.

Em quarto lugar, a falta de genitores também lembra a ausência de um provedor. Dependendo da idade ou das condições financeiras de um indivíduo, existe a carência de alguém que lhe supra suas necessidades primárias, tais como o alimento, a roupa, o calçado, o remédio e outras semelhantes a essas. No entanto, essa dependência ou precisão ultrapassam o limite do que foi posto como exemplo. Ao dizer isso, refiro-me a coisas que o dinheiro não pode comprar ou não podem ser classificadas como materiais. Digo, por exemplo, da provisão de amor, de carinho, de companheirismo, de compreensão, de cumplicidade, de atenção, de palavras de conforto ou de motivação, de estímulo ou cobrança, de elogio ou de um puxão de orelha na hora certa e outros da mesma natureza.

Portanto, quando Jesus falou que não nos deixaria órfão, creio piamente que queria dizer Read the rest of this entry »

About these ads
 

Tags: , , , , , , ,

Árvores frutíferas

 

Quando você sorri, deixa os outros mais felizes também.

Quando você sorri, deixa os outros mais felizes também.

“Na velhice ainda darão frutos; serão viçosos e florescentes.” (Sl 92:14)

Quando alguém se encontra com alguma limitação que o impede de realizar suas atividades diárias, é comum e até natural que se sinta inútil e, consequentemente, tende a ficar meio deprimido.

Não sei se esse é o seu caso. Talvez seja. Por isso, quero compartilhar com você uma história que li há algum tempo, a qual foi contada por um dos maiores evangelistas dos últimos dois séculos, cuja mensagem de salvação alcançou centenas de milhares de pessoas. Seu nome? D. L. Moody. Veja o que ele diz:

Havia, em uma pequena cidade, uma menina que era uma serva fiel do Senhor. Era dedicada e desejosa de fazer alguma coisa para Jesus, a quem entregara sua vida, pois sentia que de alguma forma precisava ajudar na implantação do Reino de Deus aqui na terra. Um dia, porém, ficou muito doente e teve que ser hospitalizada. Em princípio, ficou muito triste. No entanto, decidiu ser útil mesmo assim. Mas o que poderia fazer se estava acamada? Ah! Ela encontrou uma forma de ajudar na obra do Senhor: orar pela conversão de pessoas conhecidas que estavam fora do caminho do Pai. E assim fez. Para isso, escreveu os nomes numa folha de papel e passou a interceder por essas pessoas continuamente. E o milagre aconteceu. Pouco tempo depois de tomar essa decisão, soube-se que mais de cinquenta pessoas que eram alvo de sua oração haviam entregado sua vida a Jesus.”

     Que maravilha! Aquela pequena quis ser útil e Deus a ouviu e atendeu o desejo do seu coração. Que fantástica lição podemos aprender com ela! Ela deixou o céu feliz, pois Cristo disse que há alegria no céu por um pecador que se arrepende, visto que uma alma vale mais do que o mundo inteiro (Lucas 15:7; Mateus 16:26). Ela fez a maior e a mais excelente obra que alguém pode realizar.

A melhor notícia é que com você pode acontecer o mesmo ou algo semelhante. Quem sabe, também tenha o desejo de fazer algo para o Senhor e para a sua igreja, mas se sente impossibilitado ou incapaz por causa de alguma limitação na saúde ou por causa da idade avançada. Entretanto você pode. Por essa razão, quero desafiá-lo e motivá-lo a realizar a obra mais importante que alguém pode fazer: orar por pessoas que precisam de salvação ou de outras bênçãos; orar pelo seu pastor, para que o Senhor o capacite e o proteja a cada dia. Orar pela família do seu pastor, a fim de que ela também seja guardada do mal.

Certamente, fazendo assim você estará dando uma gigantesca contribuição ao Reino de Deus, à igreja da qual é membro e a pessoas em particular. Como resultado, quando chegar ao céu, encontrará pessoas salvas por causa das suas orações e receberá o galardão preparado e guardado carinhosamente por Deus para VOCÊ!

Lembre-se: “Os justos florescerão como a palmeira e crescerão como cedro do Líbano; plantados na casa do Senhor, florescerão nos átrios do nosso Deus. Mesmo na velhice darão fruto, permanecerão viçosos e verdejantes” (Salmo 92:12 ao 14).

Que o Senhor o abençoe rica e abundantemente e o proteja do mal.

 
 

Tags:

O ladrão da praia

praias-lindas-13

 

Recentemente, eu e minha família estávamos na praia. Era uma bela manhã de sábado e, como voltaríamos para casa no início da tarde, resolvemos aproveitar os últimos momentos ali. Meu filho mais velho não queria ir. Queria que eu fizesse logo o check out, mas decidimos ir mesmo assim. E fomos.

Quando lá chegamos, havia poucas pessoas; por isso, sentimo-nos mais à vontade e confiantes para deixar nossos pertences embaixo do nosso guarda-sol para brincarmos.

Nosso primogênito não quis entrar na água e ficou sob a sombra junto com nossa bolsa. Porém, depois da insistência da mãe, resolveu brincar na areia. Para isso, afastou-se um pouco, deixando nossos pertences à mercê de quem por ali passasse. (Não quero que pense, no entanto, que estou atribuindo a ele ou a ela a culpa pelo roubo.)

Em dado momento, algumas pessoas que haviam montado uma barraca próxima dos nossos objetos, comunica minha esposa que tínhamos sido roubados. Alguém havia percebido nosso descuido e levou algumas coisas de relativo valor financeiro.

No entanto, o que mais nos chateou foi o fato de ter levado nossa câmera fotográfica onde estava o registro de todos os lugares e momentos vividos pela família. Portanto, tinha um valor sentimental e emocional que jamais será recuperado, pois, ainda que voltássemos aos mesmos lugares, a emoção e a percepção das coisas, os sentimentos e até as pessoas não seriam mais os mesmos.

Talvez, neste momento, você esteja se perguntando: “O que eu tenho a ver com isso?”.

Já lhe digo. De todas as situações vividas, sejam elas boas ou más, podemos extrair lições, que nos farão mais experientes. Dessa não foi diferente. Passei a refletir sobre isso e comparar com o que ocorre quando achamos que podemos ficar à vontade, que tudo está tranquilo, que nada de mal vai nos acontecer e permitimos que o maior ladrão deste mundo (satanás – com letra minúscula mesmo, que é para ele não se sentir importante) nos roube. O quê? A paz, a alegria, a felicidade, a salvação eterna e muitas outras coisas que nos são preciosas.

Como creio ter sido o Espírito Santo que me fez extrair algo de bom dessa experiência, quero compartilhar com você de forma detalhada como esse roubo foi possível. Vamos lá? Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , ,

A importância de Deus na vida dos jovens

amor_de_deus

Outro dia, na Escola Bíblica Quadrangular (Jd Fátima – Nova Odessa/SP), ouvimos a leitura de um texto escrito por uma jovem da igreja. A professora de português da referida jovem solicitou que escrevesse sobre o tema em questão. Ficamos emocionados em saber que tudo o que aprendemos na escola bíblica fica guardado no coração da criança, que passa a ser adolescente e a ser jovem – e continua a guardar os ensinamentos que recebeu.

Isso reforça nossos ânimos e não nos deixa desanimar, pois “sabemos que o nosso trabalho não é vão no Senhor!”. Também deixa claro aos pais a palavra de Deus que diz: “…Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor.
Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.
E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração;
E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.
Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos.
E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas.(Deuteronômio 6:4-9)”, reforçando a necessidade de ensinarmos a Palavra de Deus aos nossos filhos.


O texto que se seguirá é o que a jovem Caroline Miranda escreveu. Nós o transcrevemos da forma como recebemos. Todos os créditos sejam dados a ela.

” “Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós e já venceste o maligno” 1JOÃO 2:14

Sei que esse tema é complexo, e que muitas pessoas não querem saber de Deus, muito menos na adolescência, que é uma fase de “curtição” e de “aprender com os erros”, não escrevo esse artigo pra “jogar pedra em ninguém”, nem falar mal de alguém, nem pra julgar ou muito menos provar quem é quem, mas gostaria de dizer que meu compromisso é com Cristo e nada mais, quer PAZ? Então vá, O busque, ELE te espera de braços abertos. Ele perdoa pecados, nos faz pessoas melhores, Ele corrige com amor. O AMOR, que Ele demonstra a nós é tão grande que quando queremos realmente estar perto Dele e fazemos algo que SABEMOS que não está certo, nos sentimos constrangidos, e aos poucos vamos deixando o “velho homem do passado”, “os velhos erros que podem nos levar a morte”, sem nem ao menos perceber, a partir desse ponto servir a DEUS é um PRAZER, e não um SACRÍFICIO.  ALIÁS, COMO NÃO AMAR QUEM MORREU NA CRUZ POR MIM!?

“Uma noite eu tive um sonho…

Sonhei que estava andando na praia, com o Senhor, e através do Céu passavam cenas da minha vida. Para cada cena que se passava, percebi que eram deixados dois pares de pegadas na areia; um era o meu e o outro era do Senhor.

Quando a última cena da minha vida passou olhei para trás, para as pegadas na areia e notei que muitas vezes, no caminho da minha vida havia apenas um par de pegadas na areia.

Notei também, que isso aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver. Isso me entristeceu muito, e perguntei então ao Senhor:

Senhor. Tu me disseste que, uma vez que eu resolvi Te seguir, Tu andarias sempre comigo todo o caminho, mas notei que durante as maiores dificuldades da vida, havia na areia apenas um par de pegadas. Não compreendo por que, nas horas que eu mais necessitava de Ti, Tu me deixaste.

O Senhor me respondeu:

Meu precioso filho, Eu te amo e jamais te deixaria nas horas da tua prova e do teu sofrimento. Quando viu na areia apenas um par de pegadas, foi exatamente aí que Eu, nos braços te carreguei!”(Transcrito)

Nos dia de hoje, o que mais vemos em jornais e na televisão, é que jovens estão sendo presos, acusados de trafico de drogas, ou que estão matando roubando. Mas será que Deus não se importa com isso? Será que os jovens não têm importância para Deus? Em Gênesis 37:2, cita a história de um jovem chamado José. Ele tinha apenas 17 anos e apascentava ovelhas com seus irmãos, Deus tinha planos na vida de José…Como também tem planos na vida de cada jovem que esta se entregando para o mundo, para o inimigo! Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , ,

FACES DO AMOR

pingente-steel-collection-cara-metade-coracao-1-18725

Outro dia, estava eu ministrando uma aula sobre linguagem metafórica (figurada, poética), quando fluiu dos meus lábios a seguinte frase para exemplificar o assunto em questão: “A mais bela e verdadeira face do amor é o respeito”.

Passados alguns dias, conversando com meu filho primogênito sobre amor e respeito, vejo-me repetindo a frase mencionada acima.

Em meados de agosto, enquanto fazia minha caminhada de oração, essa mesma declaração começou a saltitar em minha mente tal qual um pássaro aprisionado em uma gaiola louco para ganhar a liberdade.

Então, diante dessas três “coincidências”, entendi que o Espírito Santo me impelia a escrever sobre esse tema tão apetitoso e assaz relevante. Porém não quero fazê-lo para ficar encarcerado numa gaiola. Almejo, portanto, convidá-lo para compartilhar comigo essas pérolas valiosas, tomando como base a palavra de Deus que diz em I João 3:18: “Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade”. Vamos lá?

A primeira é que o significado, a definição e a classificação da palavra amor  transcendem o que dizem o dicionário, a gramática e a enciclopédia sobre ela. Ou seja: que é um substantivo (nome), comum, abstrato, primitivo e que designa um sentimento.

Parece contraditória tal afirmação, no entanto não é. Sendo assim, vou tentar esclarecer da melhor maneira possível essa declaração, aparentemente equivocada e leviana.

Amor não é algo abstrato, que existe apenas no plano intelectual/mental ou no coração de alguém. Ele se transforma em um elemento perceptível e concreto quando sai do plano conceitual e se manifesta através de ações, comportamentos e atitudes, os quais o materializam. Desse modo, podemos vê-lo em ação e, em consequência disso, sendo verdadeiro e belo através das seguintes faces:

RESPEITO

     Se digo que amo alguém, mas não o respeito, há uma enorme contradição, pois amar implica respeitar. Essa verdade se aplica tanto ao nosso relacionamento com Deus como com as pessoas que nos cercam. Pense em um indivíduo que diz amar a Deus, entretanto vive na prática do pecado. Ou em quem trai seu cônjuge, que não respeita seus gostos, seus limites e outras coisas importantes para ele. Observe que o discurso está bem distante da prática. Logo, é um discurso de tolo, o qual cai no vazio.

DEDICAÇÃO

     Quem diz amar uma pessoa, contudo não dedica tempo a ela também está sendo desmentido por suas ações. Aquele que ama a Deus dedica-lhe tempo em oração, na leitura da Sua Palavra ou para ir à Sua Casa, a fim de ouvir o que Ele tem a falar. Separa também momentos para fazer alguma coisa para o Seu Reino.

Pense ainda naquele que declara amar seu cônjuge, filhos e familiares. Esse indivíduo prova isso por meio da sua  dedicação a eles. Todavia, o contrário também é verdadeiro.

 

COMPANHEIRISMO E CUMPLICIDADE

     Quem de fato ama procura apresentar sempre esses dois elementos. Ser companheiro é ser colega, amigo. Já cumplicidade quer dizer estar ao lado de alguém na realização de alguma coisa. Especialmente em relação à vida conjugal quantos há que não têm ou não demonstram ter alegria, prazer de estar com seu marido ou com sua mulher. Muitos há que o são com os de fora, no entanto não agem de igual modo com seu cônjuge. Ou mesmo com seus filhos, pais, familiares… Read the rest of this entry »

 

Tags: ,

Motivação – parte 3

Parte 1 – Clique Aqui

Parte 2 – Clique Aqui

ESPÍRITO DE EXCELÊNCIA  

     Uma das mais belas histórias bíblicas que mostra Deus capacitando seus filhos com espírito de excelência, segundo meu conceito, é a que trata da construção do tabernáculo, ou seja, do templo portátil e móvel onde os israelitas realizavam o culto público, desde o início da peregrinação até o reinado de Salomão. Era não só o templo de Deus, mas também Sua habitação, o lugar marcado para o encontro com o seu povo.

Nessa história, vemos o Senhor dizendo a Moisés como Ele queria que fosse feita aquela obra e todos os utensílios a serem usados nas cerimônias que se realizariam nele. Na realidade, era algo fenomenal, uma vez que fora projetado pelo próprio Senhor.

     No entanto, Deus sabia que eles não conseguiriam fazer aquela obra de modo que o agradasse, basicamente por dois motivos: nunca haviam feito uma antes e pela tão grande riqueza de detalhes.

Por isso, como o Senhor queria algo que estivesse à altura de receber a Sua presença e como Ele é justo e, portanto, não exige nada que fuja à capacidade e à possibilidade humanas, decidiu habilitá-los para que cumprissem aquela tarefa tão sofisticada.

Assim, quando lemos Êxodo 35: 30 a 35, vemos que Bezalel foi cheio do “Espírito de Deus, de habilidade, de inteligência e de conhecimento  em todo artifício, para elaborar desenhos e trabalhar em ouro, em prata, em bronze, para lapidação de pedras de engaste, para entalho de madeira, para toda sorte de lavores”.

Observe que o Senhor concedeu a Bezalel todas as ferramentas necessárias para que ele fosse bem-sucedido naquele empreendimento. Caso pudéssemos visualizar o tabernáculo depois de pronto, certamente ficaríamos boquiabertos diante de tamanha beleza. Logo, podemos chegar apenas a uma conclusão: só mesmo o Espírito do Altíssimo, que é sapientíssimo, poderia capacitá-lo e também a seus ajudantes para cumprir à risca as tarefas que lhes foram atribuídas.

Mas não para por aí. O Espírito de Deus ainda o tornou sábio e “lhe dispôs o coração para ensinar a outrem…”.

Então quero convidá-lo para, juntamente comigo, refletir sobre algumas coisas importantes. São elas: Read the rest of this entry »

 

Tags: , , ,

Motivação – Parte 2

Esta é mais uma parte do estudo sobre Motivação feito com os jovens da Igreja do Ev. Quadrangular no Jd. Fátima, em Nova Odessa. Se você não leu a primeira parte e deseja lê-la, clique AQUI.

inteligencia espiritual

Parte 2 – Capacitados por Deus

CAPACITADO POR DEUS

     Uma das “descobertas” mais fantásticas que fiz nessa área, e que revolucionou a minha vida, foi que podemos orar pedindo inteligência e que Deus nos capacita não apenas para o exercício daquilo que, muitas vezes, classificamos como ministério espiritual ou atividades espirituais mas também para nossas atividades cotidianas, sejam elas profissionais ou não. (Embora, como já mencionado acima, para o cristão não há divisão entre o espiritual e o secular/material, pois somos um ser espiritual.)  

Eu disse descobertas entre aspas porque li os textos sobre os quais discorrerei a seguir inúmeras vezes, porém me parece que em dado momento as verdades contidas neles “saltaram” das Escrituras para dentro de mim. E, justamente por isso, quero compartilhar com você algumas delas, pois tal tema é profundíssimo e jamais uma pessoa poderia explorá-lo em sua plenitude. Então, vamos passear pela Bíblia comigo e procurar essas pérolas de valor incalculável?

A primeira grande verdade é que podemos orar ao Senhor pedindo inteligência.

Será que de fato existe base bíblica para isso? Sim. E quem fez isso foram pessoas que tinham uma profunda intimidade com Deus e grandes experiências de vida, as quais servem de parâmetro para todos nós. Isso porque o mesmo que o Pai fez por eles também o fará por todos aqueles que crerem e buscarem Nele essa dádiva.

Primeiramente, gostaria de falar a respeito de Davi. No Salmo 119, vemo-lo dizer: “As tuas mãos me fizeram e me afeiçoaram; dá-me inteligência para que aprenda os teus mandamentos (73.). Sou teu servo: dá-me inteligência para entender teus testemunhos (125).  A justiça dos teus testemunhos é eterna; dá-me inteligência, e viverei (144). 

Observou o motivo pelo qual quis começar com esse servo do Altíssimo? Veja: Ele poderia ter orado pedindo riquezas, glórias, honras, belas mulheres, reconhecimento das pessoas, capacidade para vencer os inimigos, estratégias de guerra, etc., etc., etc. Contudo ele, repetidas vezes, pediu inteligência (ou, como em outras versões, entendimento, discernimento), a fim de que pudesse entender a palavra de Deus.

Portanto, a primeira conclusão a que podemos e devemos chegar é que, antes de qualquer coisa, precisamos receber essa capacitação para compreender os mandamentos e os testemunhos do Senhor.

Por certo ele, o salmista, orou assim por saber que “o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não podem entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus” (I Coríntios 2:14,10). Logo, se você quer compreender  e experimentar qual é a “boa, agradável, perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2), deve dirigir-se ao Senhor dessa maneira também, isto é, pedindo-lhe inteligência espiritual – a que é gerada e desenvolvida em nós pelo Espírito Santo. Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , ,

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 326 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: