RSS

Apenas Um

apenas um

Onde estão os outros nove?” (Lucas 17:17)

     Entender as pessoas realmente não é nada fácil. Aliás, não existe como compreendê-las plenamente. No entanto, das suas ações, atitudes, comportamentos, de seus acertos e também de seus erros podemos extrair preciosas e benéficas lições.

Se elas forem positivas, para que as imitemos (no bom sentido da palavra, é claro); porém, caso sejam más, para não cairmos nos mesmos erros. Como declara o doutor Mike Murdock: “As pessoas inteligentes aprendem com seus próprios erros; as sábias aprendem com os erros dos outros”. E nós precisamos aumentar cada vez mais o nível do nosso reservatório de sabedoria, não é mesmo?

Como você sabe muito bem, a Bíblia está repleta de belas e enriquecedoras histórias. Uma delas está registrada em Lucas 17:11 ao 19. Nela, vemos que Jesus estava a caminho de Jerusalém e passou pela divisa entre Samaria e Galiléia. Entrando num povoado, dez leprosos se dirigiram a ele, ficando a certa distância, pois, segundo a lei, pessoas com essa doença eram consideradas imundas; logo, não podiam estar com quem era saudável.

Leprosos nem mesmo podiam conviver com sua família. A pessoa que levava a comida tinha que deixá-la a certa distância, retirar-se do local e, só depois, o doente ia pegar o alimento. Que tristeza! Como devia ser terrível estar nessa condição e situação, não é?

Se não bastasse o sofrimento físico e mental causado pela doença do corpo que, aos poucos, ia apodrecendo até a pessoa não suportar mais e morrer, tais indivíduos também sofriam muitíssimo com a discriminação, porque eram considerados amaldiçoados. Isso certamente os fazia adoecer ainda mais da mente e do coração.

Apesar de ainda não existir a palavra depressão, penso que muitos ficavam tão deprimidos que, fatalmente, tornavam-se mais debilitados, pois a condição psicológica interfere diretamente na física. Como consequência, marchavam a passos ainda mais largos para a morte. Logo, o estado físico e mental de pessoas nessa situação devia mesmo ser caótico. Suponho ser impossível se colocar no lugar de alguém assim e compreendê-lo profundamente.

Desse modo, fica um pouco mais fácil entender por que aqueles homens pararam bem longe e clamaram por misericórdia quando souberam que era Jesus quem passava por ali – Lucas 17: 12 e 13. Presumo que alguém lhes dissera haver uma pessoa que se importava com a dor deles, com poder para curá-los daquela moléstia e que agora era a chance de ouro para eles voltarem a viver de fato.

Portanto, não poderiam desperdiçar aquela que, sem dúvida, era uma oportunidade única na vida deles, pois a medicina da época não possuía conhecimento nem recursos para restabelecer a saúde deles. Assim, decidiram agarrar-se firmemente àquele fio de esperança. E foi isso que fizeram. Levantaram um clamor por socorro, dando, então, o primeiro passo rumo a uma nova vida.

Lucas 17:14 mostra-nos que Jesus prontamente usou de misericórdia para com eles e lhes disse que fossem se mostrar aos sacerdotes, conforme a determinação da lei de Moisés, pois somente eles tinham autoridade para receber a oferta estabelecida para casos assim, declará-los curados e aptos para retornar ao convívio familiar e também social.

Creio ser relevante registrar que Jesus não fez uma investigação para saber que pecado eles haviam cometido para terem sido punidos com a lepra. Mesmo que a doença fosse resultado de uma desobediência aos mandamentos de Deus, o Mestre da Vida mostra-lhes, e também a nós, que todo aquele que clama por misericórdia é prontamente atendido pelo Autor da Vida, embora nem sempre o Senhor responda da maneira que desejamos. Afinal, ele é soberano e sabe o que é o melhor e quando deve estender sua amorosa mão para nós.

Pelo pouco conhecimento que tenho das ações do Senhor, entendo ainda que para ele aquelas pessoas eram muito mais importantes do que o erro cometido, se fosse esse o caso. Além disso, Jesus conhecia o coração delas e certamente sabia que tinham se arrependido de seus pecados, caso eles fossem os causadores da lepra, conforme já mencionado.

Ainda no versículo 14, somos informados de que enquanto iam se mostrar aos sacerdotes esses homens perceberam que tinham ficado limpos. Isso era um sinal de que foram curados da lepra. O milagre já havia acontecido. Que maravilha, não é mesmo?

Penso que esses homens ficaram extremamente felizes quando perceberam o milagre realizado em sua vida. E não é para menos! Agora, tudo voltaria ao normal. Sendo assim, o mais lógico era que voltassem correndo para agradecer pela cura recebida.

Talvez, até houvesse uma competição entre eles para ver quem seria o primeiro a alcançar o Senhor para prostrar-se a seus pés e agradecê-lo. Afinal, haviam sido tão grandemente abençoados por Aquele que era muito maior que os sacerdotes aos quais deviam se mostrar. Era justo agir assim. É… Mas não foi bem isso que aconteceu, não.

Nos versículos 15 e16, Lucas relata que apenas UM deles, vendo que estava são, voltou glorificando a Deus em alta voz. E mais: Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , , , , ,

Vaso restaurado

vaso rest

     Por mais bem feita e bonita que seja uma casa só se torna realmente completa quando, além do acabamento, recebe uma boa decoração. Dentre os objetos usados para decorar ambientes, quero destacar os vasos, os quais podem ser de cristal, metal, vidro, barro, ouro ou quaisquer outros materiais.

Recentemente, eu e minha esposa fomos a Poços de Caldas. Lá, existe uma loja que vende objetos de decoração e Márcia quis conhecê-la. E fomos. Que coisa linda! Há coisas que enchem nossos olhos de tão belas que são. Fiquei imaginando umas daquelas peças em nossa casa. Certamente, deixariam o ambiente mais lindo. Pena que são muito caras!

Como em tudo ou de tudo podemos extrair grandes lições, gostaria de compartilhar com você algo relacionado a vasos, pois já faz algum tempo que uma passagem bíblica que trata desse assunto vem à minha mente. Para isso, tomarei o texto registrado em Jeremias 18:1 ao 6, no qual o Senhor se dirige ao profeta para lhe ensinar uma grande verdade sobre o povo de Israel e a respeito de si mesmo, o maior e melhor oleiro do mundo.

Para iniciar nossa prosa, quero dizer que quando uma peça de cerâmica cai das mãos de uma pessoa ou é derrubada pelo vento, sobram apenas cacos. Na melhor das hipóteses, fica trincada. Desse modo, perde a beleza original ou a utilidade, caso a intenção do dono seja utilizá-la para armazenar algo líquido. Consequentemente, gera prejuízo a quem a adquiriu. No entanto, se esse objeto for parar nas mãos de um excelente artesão, não há dúvida de que será restaurado por completo e poderá ser utilizado para o propósito inicial do dono.

Caso olhemos com atenção para nossa vida ou a algumas pessoas com as quais convivemos, vamos perceber que, em muitas situações, nos assemelhamos a um vaso quebrado. Isso pode ser resultado de uma doença (seja ela física, psicológica ou psicossomática), do desemprego ou de dificuldades no trabalho, de problemas familiares ou conjugais e tantos outros.

Não sei quanto a você; porém, já passei e, às vezes, ainda passo por situações nas quais me sinto como um vaso quebrado. Já houve momentos em que me pareceu ter sido atropelado por um trem. Minha impressão, nessas ocasiões, era que não havia mais condições de prosseguir. Todavia, eu estava redondamente equivocado. Graças a Deus!!!

Ao olharmos para o texto de Jeremias, citado acima, vemos o Senhor falando sobre isso. Naquele momento da História, o povo de Israel passava por uma grave crise espiritual, pois havia se afastado de Deus. Veja: “O meu povo esqueceu-se de mim: queimam incenso a ídolos inúteis, que os fazem tropeçar em seus caminhos e nas antigas veredas, para que andem em desvios, em estradas não aterradas” – Jeremias 18:15. Assim, espiritualmente falando, os israelitas estavam como um vaso quebrado.

Por esse motivo, o Pai procura o profeta e diz para ele descer à casa do oleiro, a fim de ouvir a mensagem que tinha para ele. E assim Jeremias fez. Foi para lá e ficou observando o trabalho daquele homem, o qual devia ser admirável. Contudo, de repente, o vaso se quebrou na mão do artesão. E agora, o que fazer? Talvez, se fosse eu, tinha jogado fora. Entretanto, o oleiro agiu de maneira diferente. Ele o refez, moldando-o de acordo com a sua vontade (Jeremias 18:2 ao 4).

Nesse momento, o Senhor entra em ação e declara: “Ó comunidade de Israel, será que não posso eu agir com vocês como fez o oleiro? – pergunta o Senhor. Como barro nas mãos do oleiro, assim são vocês em minhas mãos, ó comunidade de Israel” – Jeremias
18:6. Que maravilhoso!

Quem sabe a minha e a sua vida têm sido, em muitos aspectos, semelhantes a do povo de Israel, ou seja, um vaso quebrado por causa dos mais variados problemas. Talvez, assim como esse povo, nós também tenhamos nos afastado dos caminhos do Senhor. Veja que eu não disse da igreja, mas dos caminhos de Deus, visto que são duas coisas bem diferentes. Podemos ir ao templo regularmente apenas para cumprir Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , ,

Porção multiplicada

peixe pão

“Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixinhos, mas o que é isto para tanta gente?” (João 6:9)

     Todo ser humano almeja ser feliz. Por isso, todos correm em busca da felicidade. E não existe nada de errado nisso. Ao contrário, Deus sonhou isso para nós desde que criou o homem. Navegando pelas páginas das Escrituras, vemos claramente esse desejo dele. Aliás, parece-me que o Senhor quer até mesmo mais do que nós.   

Mas… O que é preciso para ser feliz? É lógico que a resposta não é tão simples assim. Não existe uma receita. No entanto, a origem da palavra nos dá pistas importantes. Por exemplo: feliz vem do latim felix, que significa “fértil, fecundo; que dá frutos”. Já felicidade originou-se de felicitas, que é da mesma família de felix. Daí, compreendemos que uma das maneiras de conseguir a bendita e tão desejada felicidade é sendo fecundo, ou seja, produzindo frutos.

Quem sabe, você se questione como pode ser assim, se não tem grandes talentos, condições financeiras favoráveis, saúde ou mesmo tempo. E eu lhe respondo: Todos nós temos alguma coisa que pode ser colocada à disposição do Senhor para ele usar como uma semente de bênção na vida de outros. Pode ser uma ideia, uma palavra amiga, um pedaço de pão, um copo de água, um bocadinho de tempo para ouvir seu próximo ou uma oração por alguém com alguma necessidade.

Quando olhamos para Mateus 14:13 ao 21, vemos o relato da primeira multiplicação de pães e peixes. Onde Jesus estava sempre havia uma multidão para ouvi-lo de fato. Outros vinham até ele apenas para receber um milagre ou simplesmente a fim de ver o que o Mestre fazia como se fosse um espetáculo de um renomado artista. Nesse episódio, por certo, não foi diferente.

Nessa ocasião, milhares de pessoas seguiram o Senhor, que, movido de íntima compaixão, curou os enfermos ali presentes. Porém, ficou muito tarde e o lugar era deserto. Logo, não era possível voltarem para casa em segurança. Portanto, havia um grande problema: Como alimentar todas as pessoas? Jesus ordenou que os discípulos dessem comida à multidão. Então eles disseram: “Tudo o que temos aqui são cinco pães e dois peixes” – Mateus 14:17.

Relatando esse fato, João o registra assim: “Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixinhos, mas o que é isto para tanta gente?” – João 6:9. Parece brincadeira ou piada de mau gosto, não é? O que fariam com apenas cinco pães e dois peixinhos? Pela lógica humana, nada. Contudo, aqui está o segredo: Deus não trabalha simplesmente com o natural. Ao contrário, sua especialidade é o sobrenatural, ou seja, o milagre.

Justamente por esse motivo, o que almejo destacar aqui é o seguinte: A pequena porção que aquele rapaz tinha foi a semente que permitiu a realização do milagre. Por isso, quando o Senhor ora, abençoando aquele alimento, acontece o impensável – Mateus 14:19 ao 21. Todos se saciaram e ainda foram recolhidos doze cestos cheios de pedaços que sobraram. E não foram poucas pessoas. Ali estavam presentes cinco mil homens, além das mulheres e crianças!

Que maravilha! Creio que jamais os discípulos pensaram ser possível alimentar toda aquela multidão, apesar de já terem presenciado tantos milagres. Veja que eles perguntaram: “… mas o que é isto para tanta gente?”. Realmente, não era nada se dependesse somente da capacidade deles ou do jovem. Todavia, Jesus estava no controle da situação. E isso bastava!

Penso também que aquele rapaz jamais imaginou que seria um instrumento de bênção nas mãos de Jesus. Mas foi. Foi porque colocou o que possuía à disposição do Mestre. Para ele, era muito pouco. Entretanto, como já vimos, o mínimo nas mãos do Senhor se torna gigantesco. Bem mais do que o suficiente.

Tenho certeza de que o jovem ficou radiante de felicidade por poder colaborar com Jesus. Certamente, a vida dele não foi mais a mesma a partir daquele momento. Penso que ele se tornou muito mais feliz, pois produziu frutos benignos.

Há, ainda, outro detalhe que preciso destacar dada a sua importância: Aquele rapaz poderia ter se negado a abrir mão dos pães e dos peixes, argumentando que se os desse aos outros faltaria para ele, sem contar que não mataria a fome daquela multidão. E ninguém poderia considerá-lo egoísta. Afinal, seria uma argumentação justíssima. Porém, não agiu desse modo. Assim, demonstrou profundo altruísmo, isto é, atitude de amor ao próximo e, sobretudo, confiança no Senhor.

Agindo dessa maneira, contribuiu para que o nome do Senhor fosse engrandecido e para suprir a necessidade das pessoas. E o mais lindo: A ele também não faltou nada. Sua fome foi saciada. Como diz o doutor Mike Murdock: “Quando uma pessoa abre mão do que possui para abençoar alguém, Deus abre mão do que Ele possui para abençoá-la”. Não foi justamente o que aconteceu ao rapaz? Sem dúvida, sim.  

Comigo e com você não é ou não precisa ser diferente. Os peixes e os pães eram as sementes que ele possuía. E uma semente produz uma grande quantidade. Pense, por exemplo, num grão de milho e na espiga ou espigas que ele produz.

Sendo assim, ainda que tenhamos muito pouco para oferecer e também questionemos: “O que é isto para tanta gente?”, o pouco que temos, nas mãos do Mestre, pode ser multiplicado quantas vezes forem necessárias. Talvez hoje não precisemos alimentar uma multidão, mas uma pessoa em especial. Mesmo assim, pensamos que não temos nada ou que é muito pouco. No entanto, todos têm algo sim e é suficiente para gerar o milagre necessário.

Portanto, devemos colocá-lo à disposição do Senhor e, assim, seremos fecundos. Consequentemente, mais realizados e felizes. Falo isso também por experiência própria. Ser bênção na vida de alguém é realmente fantástico. É inexplicável! E o que Deus disse a Abraão também o diz a cada um de nós: “… você será uma bênçãoGênesis 12:2.

 

Tags: , , , , ,

2ºlivro:’Alimento para a alma’

alimento3

Mais um ano se passou e muito temos a agradecer a Deus. Uma das maiores bênçãos é poder compartilhar com pessoas de perto e de longe a maravilhosa Palavra do Senhor. Para isso, algumas das ferramentas que temos usado são a internet e a impressão do nosso material.

Grandiosamente, a Palavra tem chegado a pessoas com as mais diversas necessidades e os relatos que chegam até nós são sobremaneira emocionantes.

Uma conquista recente foi a impressão do segundo livro: ‘Alimento para a alma – palavras que renovam a fé em Deus’. Este nasceu do sonho de poder alcançar as pessoas nos mais diversos lugares: casas de recuperação, lares de repouso, moradores de rua, hospitais e outros em situações de risco. Mas aprouve ao Senhor permitir que ele chegasse primeiro aos lares de muitas famílias que nos acompanham na igreja, haja vista que nossa congregação (Igreja do Ev. Quadrangular) adquiriu muitos livros a preço de custo e presenteou muitas famílias no encerramento da Escola Bíblica de 2015. Outras, porém, puderam adquirir a um preço simbólico e ainda contribuir com um importante projeto social. Há ainda aqueles que através da Igreja do Nazareno – Monte Calvário – em Paulínia, estão sendo alcançados.

Aqui, no entanto, só estamos divulgando agora.

Esperamos que você que já adquiriu um exemplar possa ser ricamente abençoado pelas meditações contidas nele. E, aos que não tiveram acesso ainda, mas que quiserem adquirir entrem em contato conosco aqui na página ou pelo e-mail  palavradesabedoria.net@gmail.com.

Os que participam conosco na Igreja do Evangelho Quadrangular  (Jd N.S.Fátima/ Nova Odessa-SP) podem procurar um dos nossos irmãos diáconos e adquirir o seu exemplar.

Agradecemos a todos os que de alguma forma nos tem incentivado e orado por nós: nossos líderes (Pr João Borim e Selma, Pr Ademilson e Pr André, Inaldo e Adriana Diniz, Pra Adriana Sniker), nossos familiares(em especial meus irmãos José Paulo Araújo, Maria Aurea e Luzia Teles) e nossos amigos e companheiros de trabalho.

Não deixe de ler.

Deus tem o melhor para você!

Marcos A. Araújo  e  Márcia

 

Tags: , , ,

Feliz Ano Novo!

feliz-2016

     Ser feliz é o que todos nós mais desejamos. E não há nada de “anormal” nisso. Aliás, não é apenas algo almejado por nós. Deus nos projetou e criou para a felicidade. No entanto, faz-se necessário saber que o conceito humano sobre esse sentimento é bem diferente daquilo que o Senhor entende como a genuína felicidade.

Para o homem, ser feliz é possuir tudo aquilo que deseja e, ao mesmo tempo, não ter ou não ser atingido por aquilo que não quer. Entretanto, para o Pai é estar no centro da sua vontade. É saber que felicidade não consiste na ausência de problemas, mas na certeza de que Ele está conosco “todos os dias até, a consumação dos séculos” – Mateus 28:20 – e que em todas as coisas “somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou – Jesus” – Romanos 8:37.

Apesar de não existir uma receita humana para ser feliz, encontramos nas Escrituras Sagradas muitos ingredientes com os quais podemos fazer o delicioso bolo da felicidade, cujo sabor é indescritível e incomparável e cujos nutrientes nos farão saciados, satisfeitos e fortalecidos para vivermos o ano de 2016 de maneira sábia e vitoriosa, ainda que passemos por algumas circunstâncias adversas e tempestuosas. Veja alguns deles:

  • Estar ciente de que Deus jamais se esquece de nós – Isaías 49:15 e 16.
  • Lembrar que os pensamentos do Senhor a nosso respeito são de paz, e não de mal, para dar o fim que esperamos e que Ele se permite ser encontrado por nós – Jeremias 29:11 ao 14.
  • Ter sempre em mente que o Pai não desampara o justo nem deixa a sua descendência mendigar o pão, pois Ele é o nosso Provedor – Gênesis 22:14; Salmo 37:25; Provérbios 10:3.
  • Recordar que o Senhor é o nosso Juiz e a nossa Justiça; logo, podemos contar com Ele quando nos sentirmos injustiçados – Isaías 33: 22; Jeremias 33:16.
  • Saber que o Senhor fortalece ao cansado e dá grande vigor a quem está sem forças – Isaías 40:28 ao 31; Romanos 8:26.
  • Não se esquecer de que a palavra do Senhor é lâmpada para os nossos pés e luz para os nossos caminhos – Salmo 119:105.
  • Ter convicção de que nos momentos mais críticos da nossa vida Deus está conosco – Isaías 41:10; 43:2.
  • Saber que para ser feliz de verdade é preciso temer ao Senhor e andar nos seus caminhos – Salmo 128; Isaías 1:19.
  • Lembrar que verdadeiramente Deus é bom para com seu povo, para com aquele que é limpo de coração – Salmo 73:1.
  • Estar ciente de que existe um grande galardão para quem coloca o Senhor como prioridade em sua vida e planta boas sementes – Mateus 6:33; Marcos 10:29 e 30; Gálatas 6:7 ao 10; Hebreus 10:35.

 

Há, ainda, muitos outros ingredientes. Contudo, almejo acrescentar apenas mais dois deles:

  • Fazer aos outros apenas aquilo que gostaríamos que eles fizessem conosco – Mateus 7:12. Entendo que essa é a essência e o segredo de relacionamentos saudáveis e, consequentemente, produtivos e felizes. É a regra máxima do relacionamento
  • Ser grato. A gratidão abre portas e corações humanos. Ela também abre as janelas dos céus e bênçãos são derramadas sobre nós. Porém, a ingratidão leva à murmuração e à cegueira, impedindo o indivíduo de ver as dádivas já recebidas. Esse foi um grave pecado cometido pelo povo de Israel, o que provocou muito sofrimento e perdas irreversíveis para os israelitas. Que não seja assim conosco.  Portanto, tenha um coração grato tanto em relação ao Senhor como às pessoas com quem você convive ou passar a conviver no ano que logo terá início – Colossenses 3:15; I Tessalonicenses 5:18.

 

Que ao longo do próximo ano, você e eu façamos, a cada novo brilhar do sol ou da lua e das estrelas, o apetitoso e desejado bolo da felicidade. Que cada pedaço dele sacie a nossa fome e possa nutrir nosso corpo, alma e espírito de tal maneira que nossa felicidade transborde e contagie aqueles com quem convivermos, seja no trabalho, na escola, na igreja ou em quaisquer outros lugares. Que isso aconteça principalmente com a nossa família. Então: Felicíssimo 2016!!!

Sugestão: Ouça a música Bendito serei, do Nani Azevedo.

 

 

Tags: , , , , ,

O nascimento da esperança

natal 15

“… Cristo em vocês, esperança da glória.” (Colossenses 1:27)

Diariamente, somos criminosamente bombardeados com muitas mensagens negativas. Esse bombardeio é tão pesado que parece ter decretado a morte da esperança em muitas pessoas. Talvez na maioria de nós. Mesmo aqueles que são cristãos fervorosos não estão livres dessa terrível epidemia.

Outro dia, uma colega de profissão, que é leitora assídua dos artigos bíblicos que Deus me dá graça para escrever, sugeriu-me que escrevesse sobre esse tão importante e apetitoso tema, pois ela também nota a existência desse câncer social, ou seja, a perda da esperança, especialmente nos mais jovens.  Quem sabe isso ocorra porque a mídia aparenta ter prazer de noticiar desgraças. Boas notícias e reportagens com bons exemplos são aves raras, quando devia ser justamente o oposto disso.

Se voltarmos até a época da escravidão do povo hebreu no Egito, veremos que os anos de sofrimento e de espera por um libertador fez com que a maioria das pessoas perdesse a fé e a esperança em Deus. Por esse motivo, muitos passaram a cultuar os deuses egípcios e a viver como se pertencessem de fato àquele lugar. Outras tantas jogaram a toalha e se acomodaram com o fato de serem escravas, como se fosse a vontade de Deus para a vida delas. Lamentável!

Entretanto, houve um grupo que não se conformou com aquela situação e passou a clamar por socorro. Em resposta, o Senhor enviou Moisés, através do qual manifestou o seu poder, a sua força e a sua glória, libertando e conduzindo o povo com mão forte pelo deserto. E, se não fosse a rebeldia das pessoas, todas elas tinham entrado na terra prometida – Canaã – onde manava leite e mel, isto é, havia fartura (Êxodo 2:23 ao 25; 3:7 ao 12).

Caso nos transportemos até os dias que antecederam a vinda de Jesus, notaremos que não foi diferente. Os muitos anos de sofrimento sob o domínio dos romanos também levaram os judeus a lutar com suas próprias forças contra aquela situação ou a deixar de crer que o Pai enviaria um Salvador, segundo prometera. Que triste, não?

No entanto, nesse período também existiram pessoas em cujo coração a fé, a confiança e a esperança continuaram vivas como nunca. Simeão e Ana são exemplos disso, conforme podemos ler em Lucas 2:25 ao 38. Veja o relato do apóstolo:

Havia em Jerusalém um homem cujo nome era Simeão; e este homem era justo e temente a Deus, esperando a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele.  E fora-lhe revelado, pelo Espírito Santo, que ele não morreria antes de ter visto o Cristo do Senhor.  E pelo Espírito foi ao templo e, quando os pais trouxeram o menino Jesus, para com ele procederem segundo o uso da lei,  Ele, então, o tomou em seus braços, e louvou a Deus, e disse:  Agora, Senhor, despede em paz o teu servo, segundo a tua palavra; 
pois já os meus olhos viram a tua salvação,  a qual tu preparaste perante a face de todos os povos;  Luz para iluminar as nações, e para glória de teu povo Israel. E José, e sua mãe, se maravilharam das coisas que dele se diziam.  E Simeão os abençoou, e disse a Maria, sua mãe: Eis que este é posto para queda e elevação de muitos em Israel, e para sinal que é contraditado (E uma espada traspassará também a tua própria alma); para que se manifestem os pensamentos de muitos corações.  E estava ali a profetisa Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Esta era já avançada em idade, e tinha vivido com o marido sete anos, desde a sua virgindade;  e era viúva, de quase oitenta e quatro anos, e não se afastava do templo, servindo a Deus em jejuns e orações, de noite e de dia. E sobrevindo na mesma hora, ela dava graças a Deus, e falava dele a todos os que esperavam a redenção em Jerusalém”. 

Que maravilha!!! Simeão e Ana estão entre os primeiros a quem o Espírito Santo revelou que Jesus era o Messias tão esperado pelos israelitas. Porém, vale lembrar que Lucas os descreve como pessoas justas, tementes a Deus e que serviam ao Senhor em espírito e em verdade. Por isso, tiveram tão grande e indescritível  privilégio: encontrar-se com o Salvador.

Conforme eu afirmei acima, mesmo quem professa a fé cristã, corre o risco de perder sua esperança. Isso porque as instituições que deveriam ser responsáveis pela geração desse sentimento ou virtude cristã essencial a todos nós têm feito exatamente o contrário. No entanto, há uma luz no fim do túnel.

Como nos dois momentos da História citados acima, hoje também é fundamental mantermos os olhos fitos no Senhor e permanecermos alicerçados naquilo que diz a Bíblia. Especialmente, nesses dias que antecedem o Natal e o início de um novo ano, é preciso acender, reacender ou manter a chama da fé e da esperança no Altíssimo.

Há pouco mais de dois mil anos, Jesus nasceu, cumprindo a promessa de Deus feita ao seu povo – Isaías 7:14; 9:2 e 6. Muitos não o compreenderam, mas todos quantos abriram seu coração e mente para ele passaram a ser pessoas cheias de vida e de esperança. Uma luz brilhou no meio das densas trevas em que viviam e passaram a enxergar a grandeza Read the rest of this entry »

 

Tags: ,

Está escrito!

programas_estaescrito

“Jesus, porém, respondendo, disse: Está escrito…”

     Todas as lições deixadas por Jesus são, realmente, pérolas de inestimável valor para nós. Cada vez que mergulhamos nas páginas das Escrituras Sagradas, temos saciadas a fome e a sede da nossa alma. Entretanto, sempre há algumas delas que se sobressaem dada a sua importância e aplicação a situações do dia a dia. Dentre elas, posso destacar a que está registrada em Mateus 4: 1 ao 11, mais precisamente resumida em duas palavras: “Está escrito”.

Toda vez que esse texto vem à minha memória, descubro o quanto ele é importante e como me ajuda a vencer as batalhas travadas diariamente, seja no meu trabalho seja, sobretudo, em minha mente. Como essa palavra me tem feito vitorioso e também por ter vindo com frequência ao meu coração, almejo compartilhar com você algumas reflexões sobre ela.

A primeira delas é que até mesmo Jesus foi tentado. Como sabemos, depois de ser batizado, o Senhor foi para o deserto, onde permaneceu durante quarenta dias e quarenta noites. Logicamente, após tão grande período de jejum, ele estava física e mentalmente debilitado. Percebendo isso, o maligno se aproximou dele, querendo tirar proveito da situação.

Conosco não é diferente. O adversário da nossa alma percebe quando estamos debilitados em alguma área e tenta dar o bote, pois, como diz em I Pedro 5:8, ele anda em nosso derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Entretanto, se recorrermos à Palavra, como o fez nosso Mestre, também venceremos a batalha travada.

A segunda: Cristo foi tentado nas três áreas que compõem nosso ser, ou seja, no corpo, na alma e espírito. Veja que a primeira proposta feita a Jesus foi transformar pedras em pães (Mateus 4:3). Por quê? Porque o Senhor estava com fome (Mateus 4:3). Porém, aquele período de jejum o fortalecera espiritualmente. Assim, ele teve discernimento suficiente para entender que aquela proposta tinha o objetivo de fazê-lo perder o foco e, consequentemente, fracassar. Se a aceitasse, pecaria e não poderia resgatar a humanidade das garras do diabo. Todavia ele venceu, dizendo: “Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”.

A terceira: o adversário quis convencê-lo a obedecer a um comando dele, ordenando que se jogasse de cima do ponto mais alto do templo, o pináculo. Caso o fizesse, o Mestre pecaria. Ele não veio para obedecer às ordens de satanás. Ao contrário, veio para exercer autoridade sobre ele e vencê-lo para também nos fazer vencedores. Por isso, mais uma vez o Senhor o venceu, declarando: “Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus” ou “… não ponha à prova o Senhor, o seu Deus.” – Mateus 4:7.

A quarta: Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , ,

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 291 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: