RSS

Sepultura vazia: Validação da fé cristã

15 abr
Sepultura vazia: Validação da fé cristã
“E, se Cristo não ressuscitou, é inútil a nossa pregação, como também é inútil a fé que vocês têm.” (1 Coríntios 15:14)

      Como ensina a tradição, nesta semana, celebra-se a Sexta-feira Santa e a Páscoa. Há quem concorde com essa prática e outros que discordem. Quanto a mim, cabe o respeito à fé de cada pessoa e à liberdade de festejar ou não. Por isso, todas as considerações que farei neste artigo têm o objetivo de levar-nos à reflexão sobre esse tema tão importante, não de julgar pessoas.
     Conforme ensinam as Escrituras, a Páscoa foi instituída por Deus quando seu povo estava prestes a sair do Egito, rumo à Terra Prometida – Êxodo 14:1 ao 28. Essa palavra vem do hebraico Pessach ou Pesach, cujo significado é passagem. Também pode ter o sentido de saltar ou passar adiante. Portanto, entende-se que ao instituí-la, o Senhor estava indicando que os hebreus saltavam ou passavam adiante para outro estágio da vida deles, rumando ao lugar que fora dado a Abraão, de quem eles eram descendentes e herdeiros, segundo a promessa.
     Veja o que diz o versículo 21: “Chamou, pois, Moisés a todos os anciãos de Israel e disse-lhes: Escolhei, e tomai vós cordeiros para vossas famílias, e sacrificai a Páscoa”. Por esse texto, compreende-se que essa festa era do povo hebreu, o qual, posteriormente passou a ser chamado de judeu. 
     Quando Cristo veio, como um bom judeu que era, cumpriu tudo aquilo que ensinavam ou ordenavam as Escrituras Sagradas. Inclusive, a celebração da Páscoa, conforme se lê em Lucas 22:7 ao 20. Entretanto, nesse mesmo texto, vemos que o Mestre instituiu a Ceia, que pode ser entendida como a indicação de que chegara um novo tempo para todo aquele que o reconhecesse como o Messias e o aceitasse como seu Senhor e Salvador.
     Desse modo, quando o servo de Deus comemora a Páscoa hoje, mesmo não sendo uma ordenança do Senhor, deve fazê-lo com entendimento e com sabedoria. Assim como em Êxodo 12:26 e 27 o Senhor orienta os pais a explicarem para seus filhos o porquê dessa celebração, também o cristão que decide comemorar essa data precisa esclarecer a seus filhos que não se trata de coelhinho, ovos de chocolate, churrasco, bebidas e diversão, mas de reconhecimento de que o Senhor Jesus veio ao mundo, exerceu seu ministério, morreu em nosso lugar e ressuscitou.
     Todos nós precisamos saber claramente que ele fez tudo isso para que nós, vis e imerecidos pecadores, pudéssemos ser reconciliados com Deus, tivéssemos nossos pecados perdoados, passássemos a ter o direito de ser chamados de filhos e a certeza da salvação eterna – Efésios 2:13 ao 16; João 1:11 ao 13.  
     Feitas essas considerações, gostaria de tratar com você de quatro pilares muito importantes da fé cristã, os quais já foram mencionados: a vinda do Senhor Jesus, seu ministério, sua morte e ressurreição. Sem eles, todos nós estaríamos irremediavelmente perdidos, segundo nos mostra a Bíblia Sagrada.
     Como já fora anunciado por Deus lá no Éden, logo após a desobediência de Adão e Eva, da semente/descendência da mulher nasceria um que pisaria a cabeça da serpente (uma metáfora, que se refere ao maligno). Lendo  Isaías 7:14, vemos o Altíssimo dizendo: “Portanto, o mesmo Senhor vos dará um sinal: eis que uma virgem conceberá, e dará à luz um filho, e será o seu nome Emanuel”.
     Chegando a Lucas 2:25 ao 32, vemos Jesus sendo levado pelos pais ao templo para ser apresentado ao Senhor. Lá, Simeão pega a criança nos braços, louva a Deus e  refere-se àquele menino como o cumprimento da promessa que tinha sido feita fazia tanto tempo. Logo, o primeiro pilar da fé cristã é o nascimento de Cristo.
     O segundo pilar é o ministério de ensino, pregação, cura e libertação exercido pelo Mestre, conforme lemos em Lucas 4:14 ao 22. Veja o que o Senhor declara no versículo 21: “Então, {Jesus} começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos”. 
     O terceiro pilar foi a morte de Cristo. Sem ela, a obra da redenção ainda não estava completa (redenção: do Latim redemptio, de redimere, “redimir”, literalmente “comprar de volta”, de re-, mais emere). As Escrituras fazem a seguinte declaração: “De fato, segundo a Lei, quase todas as coisas são purificadas com sangue, e sem derramamento de sangue não há perdão/remissão de pecados” – Hebreus 9:22 – NVI.
     Em outras palavras: O senhor precisou derramar seu sangue lá na cruz do Calvário para que pudesse nos comprar de volta para o Pai, uma vez que éramos escravos do pecado, isto é, dominados por coisas e práticas que eram boas aos nossos olhos, mas que não eram retas aos olhos do Pai.
     Então, se hoje temos paz com Deus, devemos isso a Cristo: “Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo; pelo qual também temos entrada/acesso pela fé a esta graça, na qual estamos firmes; e nos gloriamos na esperança da glória de Deus” – Romanos 5:1,2.  
     Ao ler o texto acima, fica claro que não é por sermos “bonzinhos” ou pelo que fazemos que fomos ou somos reconciliados com Deus, mas pelo que JESUS CRISTO fez. Veja ainda: “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie” – Efésios 2:8,9.
     O quarto pilar é a ressurreição de Cristo. Sobre esse assunto, Paulo faz uma longa argumentação em 1 Coríntios 15, pois, já em sua época, havia muitas pessoas influenciadas pelos pensadores (filósofos gregos), as quais não acreditavam nisso. Os saduceus, por exemplo, eram incrédulos quanto a isso. Eles, inclusive, tentaram pegar Jesus em contradição sobre esse assunto – Lucas 20:27 ao 40.
     Quando o apóstolo Paulo fez sua argumentação sobre esse tema, nos versículos 13 e 14 ele falou: “E, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé” – 1 Coríntios 15:13,14.
     Como meu objetivo aqui não é provar ou tentar convencer ninguém da veracidade da ressurreição, pois quem faz o convencimento é o Espírito Santo – João 16:7 ao 11, apenas quero declarar o seguinte: Se Cristo tivesse vindo como o Emanuel (Deus conosco), exercido seu maravilhoso ministério de ensino, pregação, libertação e cura, morrido, MAS não tivesse ressuscitado, nossa fé seria vã, ou seja, sem valor ou inútil, como bem o disse Paulo.
    Por isso, esse pilar é muitíssimo importante. Diferentemente de outras religiões ou de filosofias, cujos fundadores e grandes expoentes morreram e permaneceram em seus túmulos (alguns dos quais ainda podem ser visitados, uma vez que seus restos mortais se encontram neles), o túmulo de Cristo está vazio: “Por que buscais o vivente entre os mortos? Não está aqui, mas ressuscitou” – Lucas 24:5,6.
     Nosso Senhor não se encontra ali desde o domingo depois de sua crucificação e morte. Aleluia!!! Ele foi visto por mais de 500 irmãos, muitos dos quais ainda estavam vivos quando Paulo escreveu sua 1 epístola aos Coríntios, por volta dos anos 55 e 56 da Era Cristã.
     Veja a declaração de Paulo: “Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras, e que foi visto por Cefas/Pedro e depois pelos doze. Depois, foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também. Depois, foi visto por Tiago, depois, por todos os apóstolos e, por derradeiro de todos, me apareceu também a mim, como a um abortivo. Porque eu sou o menor dos apóstolos, que não sou digno de ser chamado apóstolo, pois que persegui a igreja de Deus. Mas, pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus, que está comigo” – 1 Coríntios 15:3-10.
     Logo, nossa fé não é inútil nem desprovida de embasamento. Existem fatos históricos e científicos que dão credibilidade às Escrituras Sagradas. No entanto, o autêntico cristão não crê apenas no que diz a Ciência e a História, pois ele sabe que “sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam” – Hebreus 11:6.
     Também conhece o que Jesus, já ressuscitado, falou a Tomé: “Depois, disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; chega a tua mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente. Tomé respondeu e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram!” – João 20:27-29.
     Portanto, se neste domingo você for celebrar a Páscoa, faça-o com entendimento e fé. Ensine a seus filhos e a quem tiver ouvidos para ouvir que essa festa não é sobre coelhinho, ovos de chocolate, reuniões familiares ou outras diversões e distrações (Evidentemente, pode dar, receber, trocar presentes reunir a família e amigos. Não existe nenhum mal nisso). Diga-lhes que ela é uma lembrança e um memorial da vinda, ministério, morte e ressurreição do nosso Senhor Jesus Cristo, para que nossa religação com o Pai fosse e seja possível. Do contrário, estaríamos miseravelmente perdidos e sem esperança de salvação: “… naquele tempo, estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel (povo de Deus) e estranhos aos concertos da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo” – Efésios 2:12.   
 

Tags: , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: