RSS

A escolha de Moisés

30 jan

“A vida é feita de escolhas. Quando você dá um passo para frente, alguma coisa fica para trás.” (Autor desconhecido)     

     Você já precisou fazer muitas escolhas ao longo da sua vida?

     A pergunta parece tola, pois a resposta obviamente é sim. Mas ela serve para entendermos a linha de raciocínio que será seguida no artigo.

     Algumas dessas escolhas são muito simples. Por exemplo, a roupa que vai usar para trabalhar ou mesmo para ficar em casa. Porém, outras são muito importantes e sérias. Logo, requerem profunda reflexão, uma vez que as consequências podem afetar toda a vida, inclusive a de pessoas que amamos ou até de quem não se relaciona conosco diretamente.

     Já faz um bom tempo que a história de alguém que precisou fazer uma importante escolha fica saltitando em minha mente: Moisés. Por certo, para muitos, ela não passa de uma narrativa de ficção, o que deve ser respeitado. Afinal, é um direito que lhes assiste. Mas, para aqueles que creem que a Bíblia é a Palavra de Deus e que já tiveram uma experiência pessoal com o Senhor, ela é real e traz grandes e atuais ensinamentos. E esses indivíduos também merecem respeito. 

     Só para relembrar os fatos, segue um breve resumo do que está em Gênesis 41 ao 50 e nos primeiros capítulos de Êxodo: Por causa de uma grande seca em Canaã, os descendentes de Abraão foram morar no Egito, quando José era o Governador. Lá, cresceram muito e prosperaram. E isso começou a incomodar o faraó que governava, o qual não conhecia a história de José. Assim, com medo de os descendentes de Abraão quererem tomar o poder, decidiu oprimi-los, transformando-os em escravos.

     Para complicar, o governante ordenou que matassem os meninos de dois anos para baixo e também que as parteiras matassem os que nascessem a partir daquele decreto. Desse modo, enfraqueceria o povo hebreu e o manteria subjugado. E assim o fez.

     No entanto, Joquebede conseguiu esconder seu filho por três meses. Porém, chegou um momento em que isso não mais era possível. Por isso, colocou o garoto em um cesto e o pôs no rio. Lá, ele foi resgatado pela filha do faraó, a qual decidiu adotá-lo como filho e deu-lhe o nome de Moisés (do hebraico Moshe, que quer dizer “criança”, “filho” ou “tirado das águas”).

     Moisés cresceu no palácio. Foi instruído em toda a ciência do Egito e era poderoso em palavras e obras, como lemos em Atos 7:22. Contudo, chegou o momento no qual ele descobriu que não era egípcio e, sim, hebreu. Por conseguinte, não concordava com as injustiças sofridas por seu povo. Então, quando viu um egípcio ferindo um hebreu, interveio, matando o agressor. E, para não ser  pego e punido, fugiu (Êxodo 2:11-22).

     Nesse ponto da história, quero fazer uma pergunta: Se estivesse no lugar dele, vivendo com todos os privilégios que lhe eram oferecidos no palácio, você iria se preocupar com meros escravos?

     Para dizer a verdade, talvez, se fosse eu, iria fingir que não tinha visto nada ou que não tinha nada a ver com aquele povo escravizado. Afinal, agora eu era filho da princesa, respeitado e quem sabe mimado. Além disso, não tinha nenhuma culpa de ter sido criado como egípcio. Portanto, para que me envolver em questões que não me diziam respeito?

    Mas não foi isso que aconteceu. Veja o que as Escrituras registram em Hebreus 11:23-27: “Pela fé, Moisés, já nascido, foi escondido três meses por seus pais, porque viram que era um menino formoso; e não temeram o mandamento do rei. Pela fé, Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo, antes, ser maltratado com o povo de Deus do que, por um pouco de tempo, ter o gozo do pecado; tendo, por maiores riquezas, o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa. Pela fé, deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível”.

      Evidentemente, essa história vai ter muitos fatos novos como, por exemplo, a retirada do povo hebreu do Egito e sua condução à Terra de Canaã. Todavia, quero destacar alguns pontos importantes e fazer uma contextualização que nos envolve também.

  • “Pela fé…”: A decisão de Moisés foi tomada não apenas como resultado da razão ou da racionalidade, mas envolveu a fé.

Penso que se ele tivesse usado apenas a razão não teria feito o que fez. Logo, entendo que existem situações nas quais a fé deve se sobrepor à razão. Isso porque a fé inteligente inclui Deus e o coloca no comando. Porém, a razão normalmente exclui o Senhor e nos coloca no controle, podendo gerar consequências catastróficas, sobretudo quando envolvem questões relacionadas à vida espiritual.

Veja: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que não se veem” – Hebreus 11:1.

  • A consequência direta da fé foi receber forças e discernimento para fazer uma escolha que mudaria para sempre a vida dele e de seu povo.

Essa escolha, como já vimos, o fez perder sua posição de filho da princesa e todas as regalias resultantes disso. Conosco não é diferente. Muitas vezes, também somos levados a tomar decisões que parecem resultar em perdas. E isso pode nos deixar apreensivos ou mesmo nos desesperar. Mas, quando elas têm a direção de Deus, gerarão conquistas muito maiores e melhores do que os prejuízos.

Especialmente quando decidimos entregar nossa vida ao Senhor e nos tornar seus discípulos, a impressão que temos é que vamos perder muitas coisas. Por exemplo: alguns argumentam que não vão poder fumar, beber, se relacionar sexualmente com muitas pessoas, ir a determinados lugares ou perder amigos.

No entanto, aquilo que ganhamos do Senhor é tão maravilhoso que todas essas “coisinhas de estimação” não fazem nenhuma falta, pois o Espírito Santo nos faz sentir plenos, saciados e realizados com aquilo que o Pai aprova. Assim, para se sentir feliz ou ter prazer, você não precisará daquilo que Deus desaprova. E Deus lhe dará amigos de verdade, pois, se o deixarem por causa da sua fé, não eram de fato seus amigos.

Como você sabe (ou talvez não saiba), o Egito é uma figura ou uma metáfora do mundo, o qual oferece um prazer momentâneo como foi o do povo hebreu naquele lugar, ou ilusório, que escraviza, que faz sofrer. Assim, ao decidir cortar o cordão umbilical que o ligava àquele lugar, Moisés vai começar a andar no centro da vontade de Deus. Foi fácil? Em hipótese alguma! Mas necessário. 

  • “… tendo, por maiores riquezas, o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa”.

No versículo acima, entendemos que pela fé Moisés já visualizava um futuro muito melhor do que aquilo que fazia parte da realidade atual dele. E ele sabia que a recompensa divina de fato compensava as perdas do momento. Ele já possuía a convicção de que passaria a eternidade com Deus: “E esta é a promessa que ele {Jesus} nos fez: a vida eterna” – 1João 2:25.  

  • “Pela fé, deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como vendo o invisível”.

    Aqui, quero destacar três coisas: ele deixou o Egito pela fé. Considerando que o Egito é uma figura do mundo (esse sistema corrupto e corruptor que nos cerca), quebrar os vínculos que tem com ele não é nada fácil, mas é preciso e possível.

     A fé tira o temor. Tudo o que é novo ou desconhecido causa temor. Porém, a fé inteligente (não teórica ou com fanatismo) substitui o medo e a insegurança pela ousadia, confiança e segurança em Deus. 

     Ele ficou firme, como vendo o invisível. Isso também é resultado da fé. Ela nos mantém firmes e constantes, pois é como se víssemos aquilo que é invisível.

     O apóstolo João nos lança luz sobre isso ao dizer: “Quem crê no Filho de Deus em si mesmo tem o testemunho; quem em Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu. E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. Estas coisas vos escrevi, para que saibais que tendes a vida eterna e para que creiais no nome do Filho de Deus – 1 João 5:10-13.

     Em outras palavras: a fé genuína nos permite saber que temos a vida eterna, conquistada por Cristo para nós através da sua morte e ressurreição. E isso faz toda a diferença em nossa vida.  

     Para finalizar, almejo fazer mais algumas considerações:

  • A cada passo que damos para a frente, deixamos algo para trás, conforme diz o texto de abertura. Nesse caso, o que Moisés deixou parecia ser grandioso, mas ele conquistou coisas muito maiores, inclusive a certeza de que estava no centro da vontade de Deus. E mais: o Senhor falava diretamente com ele: “E falava o Senhor a Moisés face a face, como qualquer fala com o seu amigo…” – Êxodo 33:11 – e por meio dele libertou o povo hebreu da escravidão. Por isso, ele tipifica Cristo, que nos liberta do mundo de pecados e injustiças de toda sorte.
  • Se fizermos as escolhas certas, se escolhermos o Senhor, se obedecermos aos seus mandamentos, se entregarmos nossa vida a Cristo, para que ele seja nosso Senhor e Salvador, nós também receberemos uma grande recompensa: paz de espírito hoje e a vida eterna ao lado do Senhor (João 3:16).
  • Diante disso, cabe a cada um de nós colocar na balança aquilo que o sistema mundano, corrupto e corruptor, tem a nos oferecer e aquilo que o Senhor quer nos dar. Aquilo que pesar mais na balança deve ser o que escolheremos. O mundo oferece prazeres momentâneos e, muitas vezes, ilusórios, que provocam mais sofrimento e insatisfação do que paz interior. Mas o Senhor dá algo eterno e pleno.
  • Assim, compete a cada um de nós decidir se crê na existência de Deus ou não; se Jesus de fato existiu ou não; se as Escrituras Sagradas são a Palavra de Deus ou não; se existe vida eterna ou não; se existe céu e inferno ou não; se vale a pena ou não assumir um compromisso com o Senhor ou não.
  • O que escolher então? Como já foi dito, está em nossas mãos o poder de escolha. Mas, “Se vocês estiverem dispostos a obedecer, comerão os melhores frutos desta terra” – Isaías 1:19. E, se estivermos dispostos a crer e a obedecer ao Senhor, passaremos a eternidade com o Pai: “Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo…” – Mateus 25:34.
  • Jesus disse aos discípulos que quem escolhe servi-lo não fica sem recompensa: “Em verdade vos digo que vós, que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel. E todo aquele que tiver deixado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou terras, por amor do meu nome, receberá cem vezes tanto e herdará a vida eterna – Mateus 19:28,29.

Sendo assim, faço a mesma escolha que Josué: “Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor – Josué 24:15.

Para ouvir: Eu escolho Deus – Thalles Roberto

 
 

Tags: , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: