RSS

Mão estendida

mao estendida

“E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o e disse-lhe: Homem de pequena fé, por que duvidaste?” (Mateus 14:31)

Certamente todos os feitos de Jesus foram extraordinários e nos deixaram um legado de ensinamentos, cuja riqueza ultrapassa os limites da nossa capacidade de compreensão e assimilação, a não ser que contemos com a ajuda do Espírito Santo – Romanos 8:26; João 14:26. Um deles, por exemplo, está registrado em Mateus 14:22 ao 33.

Antes de ocorrer esse episódio, vemos que o Senhor havia multiplicado cinco pães e dois peixes, matando a fome de quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças. Depois desse milagre, ele pediu que seus discípulos entrassem no barco e fossem adiante para a outra banda do mar, rumo à terra de Genesaré. Enquanto isso, o Mestre despediria a multidão, a qual estava desfrutando de sua adorável companhia. E assim aqueles homens fizeram.

Como lemos no versículo 23, despedidas as pessoas, Jesus subiu ao monte para orar sozinho (o que, por sinal, era seu costume). Ele amava ter esses momentos a sós com o Pai. E sempre o fazia, para se fortalecer espiritualmente para enfrentar as tempestades que viriam e ainda manter inabalável o vínculo com o Pai.

Enquanto isso, o barco com os discípulos já estava sendo açoitado pelas ondas no meio do mar, porque “o vento era contrário” – v 24. Pela experiência que tinham na arte da navegação, visto que alguns deles eram pescadores, penso que já haviam empreendido grandes esforços e tentado de todas as formas vencer as águas revoltas. No entanto, pelo contexto, entendemos que não estavam sendo bem-sucedidos naquela luta desigual contra a força do vento e das ondas, apesar de serem homens do mar.

Quando olhamos para o versículo 25, vemos que já de madrugada, entre três e seis horas, o Senhor se dirigiu até eles caminhando por cima das águas. Ao verem aquela cena, e sem reconhecerem que era o Mestre, se assustaram, pensando ser um fantasma – v 26. Por causa disso, começaram a gritar, com medo. Que cena cômica, hem? Mas, se fosse você, agiria de modo diferente?

Ao ver a reação deles, Cristo disse: “Coragem! Sou eu. Não tenham medo”. Ouvindo isso, Pedro, sempre mais afoito que os demais, disse logo: “Senhor”, se és tu, manda-me ir ao teu encontro por sobre as águas” – v 28. E o Senhor o convidou para ir. E ele foi.

A seguir, vemos Pedro descendo do barco e andando sobre as águas para ir até Jesus. No entanto, sentindo o vento forte, teve medo e começou a afundar. Então clamou por socorro, dizendo: “Senhor, salva-me!” – v 29 e 30.

Nesse ponto, talvez você esteja pensando: “Mas que cabra frouxo!”. Porém, quero desafiá-lo a mergulhar em sua memória para buscar outro exemplo de alguém que conseguiu andar sobre as águas por pelo menos um segundo. Penso que pode fazer uma minuciosa e diligente varredura que não encontrará nenhuma outra pessoa.

Na sequência da história, vai acontecer aquilo que almejo destacar para você, a fim fortalecer a sua fé. Veja o que diz o texto: “Imediatamente Jesus estendeu a mão e o segurou. E disse: “Homem de pequena fé, porque você duvidou? Quando entraram no barco, o vento cessou” – v 31.

A frase “Imediatamente Jesus estendeu a mão e o segurou” é muito significativa. Muitas vezes, também precisamos atravessar mares revoltos, aparentemente sozinhos. Por isso, nosso espírito de autossuficiência nos leva a querer usar a experiência, habilidades naturais e conhecimentos já testados e comprovados em outras situações pelas quais passamos. Porém, tornam-se tentativas fracassadas, as quais, por não surtirem o efeito desejado, nos deixam frustrados, apreensivos, inseguros e desesperados. E por que não dizer também incrédulos?

Talvez, enquanto lutavam contra o mar bravio, alguns discípulos questionavam por que Jesus os mandara fazer a travessia sozinhos. Quem sabe os mais desesperados pensavam: “Se ele é realmente o Cristo, devia saber que isso ia acontecer conosco”. E por aí vai.

Mas não ouse criticá-los. Tomo a liberdade de dizer que se fôssemos nós provavelmente, ou também, agiríamos assim. Caso nossa fé não esteja de fato alicerçada na Rocha, o mais fácil seria tomar essa atitude. Hoje, também é provável que tentemos resolver as coisas do nosso jeito. Todavia, muitas vezes, quebramos a cara.

A boa notícia é que, ainda que não soubessem, Jesus não os abandonara à própria sorte. Embora não tivessem plena compreensão, o Senhor de fato os amava e se preocupava com eles. Mesmo assim, permitiu que a adversidade lhes sobreviesse, talvez para entenderem que suas experiências, conhecimentos e habilidades nem sempre vão resolver todas as coisas.

Por esse motivo, não podiam permitir que o sentimento de autossuficiência os levasse a pensar que não precisavam de Deus. Afinal, eles estavam sendo treinados para missões tão grandiosas que não poderiam se dar ao luxo de se tornarem vítimas de si mesmos. Foi por essa razão que no momento crucial o Senhor foi até eles.

Conosco não é diferente. Também estamos sendo treinados para nos tornarmos pessoas com maturidade espiritual e emocional. Por isso, o Mestre até pode permitir que passemos por mares tempestuosos. Entretanto, do mesmo modo, ele virá em nossa direção andando sobre as águas, ou seja, demonstrando ter poder sobre todas as coisas.

Você viu que num primeiro momento os aqueles homens, ou alguns deles, pensaram que era um fantasma, isto é, não reconheceram que era Jesus. Quem sabe, a escuridão, a forte chuva ou o medo (ou tudo isso) lhes tirara a capacidade de enxergar com nitidez. Por isso, tiraram conclusões precipitadas e, consequentemente, erradas.

Quantas vezes também fizemos isso! Quantas vezes agimos como Pedro! Somos impelidos por uma fagulha de fé, mas, ao sentirmos o vento e as ondas, começamos a naufragar. O que pensou esse discípulo quando começou a afundar? Na família? Nos amigos? Ou simplesmente teve medo de morrer? E nós, o que se passa por nossa cabeça ao vivenciarmos situações nas quais tudo parece perdido?

Que bom que o Senhor foi na direção de Pedro e lhe estendeu a mão! O Senhor ouviu o seu clamor. Ele não precisou fazer uma longa oração nem uma argumentação teológica profunda para explicar ao Senhor sua necessidade. Somente precisou ser sincero e objetivo. Naquele momento, por certo, ele se despojou de todo sentimento de autossuficiência e depositou toda a sua confiança na suficiência de Cristo – vv 31 e 32.

Então, como aconteceu com Pedro, também pode e deve ocorrer conosco. Ou melhor: em situações adversas da nossa vida, quando os recursos humanos são insuficientes e ineficazes, devemos clamar ao Senhor, levando a ele confiantemente nossa necessidade, sabendo que o Mestre também nos estenderá a mão e nos segurará, assumirá o controle e nos levará para dentro do barco em paz e segurança. Veja o que o salmista declara: “Os olhos do Senhor estão sobre os justos; e os seus ouvidos, atentos ao seu clamor” – Salmos 34:15.

Para finalizar, sinto que devo retomar o assunto do versículo 23, no qual o evangelho diz: “Tendo despedido a multidão, subiu sozinho a um monte para orar. Ao anoitecer, ele estava ali sozinho”, pois desejo falar que se Jesus tinha o hábito de ficar a sós com Deus, nós também precisamos ter, porque a oração e a comunhão com Pai Celestial nos darão força, discernimento, sabedoria e direção para vivermos felizes e em paz, mesmo em meio a tempestades.

 

Tags: , ,

Um pai que nunca esquece

Pai e filho

“… contudo eu não me esquecerei de ti – diz o Senhor.” (Isaías 49:15b)

Como sabemos, no segundo domingo de agosto, comemora-se o Dia dos Pais. Entretanto, nem todos sabem que esse desejo de homenagear os pais nasceu no coração da norte-americana Sonora Louise Smart Dood, filha do veterano da guerra civil, John Bruce Dood, em 1909, a qual teve a ideia de celebrar esse dia ao ouvir um sermão dedicado às mães.

Além de admirar o pai, o objetivo de Sonora era homenageá-lo devido ao grande esforço que John tivera para criar os filhos sozinho, após o falecimento da esposa em 1898, quando dava a luz ao sexto filho. Assim, John criou o recém-nascido e seus outros cinco filhos sem ajuda de ninguém (https://br.guiainfantil.com/cultura/207-dias-e-feriados/438-o-dia-dos-pais.html).

A partir de então, passaram a existir homenagens em muitos países ao redor do mundo, mas em datas diferentes. Porém, o que mais importa é que, se essa homenagem realmente partir do coração dos filhos, não apenas em consequência de um apelo comercial, um mero costume ou por constrangimento, servirá para demonstrar o quanto o pai foi e é importante na formação pessoal de um indivíduo.

Infelizmente, sabemos que nem todos os pais são, de fato, uma boa referência para seus filhos. Ao contrário, muitos são um exemplo a não ser seguido. Afinal, agem como se houvesse ex-filhos e os abandonam à própria sorte ou são extremamente violentos, por exemplo. Não é à toa que hoje existem tantas pessoas emocionalmente comprometidas em consequência desse abandono e da orfandade afetiva. Lamentável.

Por outro lado, existem pais que são, indiscutivelmente, verdadeiros referenciais, os quais deixam um grande legado para seus filhos, levando-os a se tornarem cidadãos de bem aqui na terra e, por certo, também do céu. Com sua permissão, leitor, incluo o meu pai nessa categoria. Ele era um homem simples, de poucas palavras, trabalhador, honesto e, acima de tudo, um servo de Deus exemplar, o qual deixou gravados no coração de todos os filhos valores fundamentais e inegociáveis.

Todavia, apesar de ser tudo isso, ele não era perfeito. Como o seu certamente também não era ou não é. Como você também não é. Como eu também não sou. Contudo, meu desejo aqui é falar principalmente de alguém que sempre desejou se relacionar conosco como pai, mas não como qualquer outro que conhecemos.

Ele almeja ser o Pai. Aliás, sempre o desejou. Veja o que ele mesmo declara: “ Portanto, “saiam do meio deles e separem-se”, diz o Senhor. “Não toquem em coisas impuras, e eu os receberei” “e lhes serei Pai, e vocês serão meus filhos e minhas filhas”, diz o Senhor Todo-poderoso” – II Coríntios 6:17 e 18. Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , ,

Amigos de Jesus

Palavra de Sabedoria

“… mas há um amigo mais chegado do que um irmão.” (Provérbios 18:24)

amigos-696x397

Segundo a Psicologia, amizade é um dos vínculos mais significativos e importantes que estabelecemos. Isso porque estar com amigos é uma forma privilegiada de socializar, e a socialização, tal como o psicólogo bielo-russo Vygotsky afirma, “é a base do desenvolvimento humano”. Sem a socialização, não desenvolveríamos processos cognitivos superiores (cognitivo: relativo à aprendizagem) nem nos apropriaríamos devidamente da cultura.

Não ter amigos pode ser tão perigoso para a saúde como fumar ou consumir álcool em excesso, diz um estudo de cientistas americanos na revista Plos Medicine. Os especialistas afirmam que viver isolado é prejudicial à saúde. Fato que é potencializado quando vivemos em tempos de relações superficiais, descartáveis e imediatistas baseadas em redes sociais.

Ainda nessa linha de pensamento, o estudo mostra que no processo psicoterapêutico, a amizade pode ser compreendida como…

Ver o post original 2.252 mais palavras

 

Amigos de Jesus

“… mas há um amigo mais chegado do que um irmão.” (Provérbios 18:24)

amigos-696x397

Segundo a Psicologia, amizade é um dos vínculos mais significativos e importantes que estabelecemos. Isso porque estar com amigos é uma forma privilegiada de socializar, e a socialização, tal como o psicólogo bielo-russo Vygotsky afirma, “é a base do desenvolvimento humano”. Sem a socialização, não desenvolveríamos processos cognitivos superiores (cognitivo: relativo à aprendizagem) nem nos apropriaríamos devidamente da cultura.

Não ter amigos pode ser tão perigoso para a saúde como fumar ou consumir álcool em excesso, diz um estudo de cientistas americanos na revista Plos Medicine. Os especialistas afirmam que viver isolado é prejudicial à saúde. Fato que é potencializado quando vivemos em tempos de relações superficiais, descartáveis e imediatistas baseadas em redes sociais.

Ainda nessa linha de pensamento, o estudo mostra que no processo psicoterapêutico, a amizade pode ser compreendida como fator de proteção. É a rede de afeto no enfrentamento dos dissabores da vida. É a força que sustenta ao cair, ou mesmo a mão estendida ao levantar.

Quando nós nos voltamos para as Escrituras Sagradas, vemos que o que a Ciência diz não é nenhuma novidade. No entanto, é muito bom saber que Ciência e Fé se encontram e andam de mãos dadas com um único propósito: abençoar nossa vida. Basta se lembrar, por exemplo, da amizade de Davi e Jônatas (filho do rei Saul) e o quanto ela foi benéfica para os dois, para Mefibosete (filho de Jônatas) e, finalmente, para todo o povo de Israel.

Entretanto, o foco desse artigo não é a história deles e, sim, a da família de Lázaro. Portanto, para começo de conversa, é bom recordar que a Bíblia registra três episódios envolvendo Marta, Maria e Lázaro. O primeiro deles está em Lucas 10:38 ao 42. O segundo, em João 11. O último, em João 12.

Antes de dar sequência, quero lhe fazer a seguinte pergunta: Por que, por três vezes, Jesus foi à casa deles? Antes que você responda, quero fazer uma provocação, colocando outro questionamento: Por que você iria à casa de alguém e voltaria lá outras vezes?

Quase ouço sua voz dizendo: “Volto lá porque me sinto bem recebido. As pessoas são agradáveis. A conversa é boa. Sinto paz naquele ambiente. Percebo que as pessoas realmente gostam de mim”. Além dessas possíveis respostas, outras semelhantes a elas poderiam ser dadas. Então, agora podemos mergulhar um pouco na história desses irmãos e de Jesus.

Como já vimos, o primeiro momento dessa família com Jesus está registrado em Lucas 10:38 ao 42. Nele, lemos que Jesus fora recebido naquela casa por Marta. Enquanto ela estava distraída com os serviços domésticos, Maria sentou-se aos pés do Mestre para ouvir seus ensinamentos. Muito provavelmente, Lázaro, como o homem da casa, já estava fazendo sala para tão importante visita.

Em dado momento, Marta disse: “Senhor, não te preocupas que minha irmã me deixe servir sozinha? Diga a ela que me ajude” – V 40. Essa fala foi a oportunidade que Jesus precisava para ensinar uma grande lição. Assim, aproveitando-a, falou-lhe: “Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada” – Lucas 10: 41 e 42.

Talvez você seja tentado a jogar algumas pedrinhas em Marta, não é mesmo? Mas quero dizer-lhe uma coisinha: Read the rest of this entry »

 

Tags: , , ,

Manancial no deserto

    manancial no deserto

“A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma…” (Salmos 19:7)

    Temos vivido tempos tão difíceis e confusos que, muitas vezes, as pessoas se sentem como se estivessem num deserto. Em outras ocasiões, parecem   se sentir num labirinto, sem encontrarem a saída.

Outros há cujo sentimento é de solidão, mesmo vivendo cercadas de pessoas a maior parte do tempo. E existem aquelas que realmente estão sozinhas, pois já não têm seus entes queridos por perto.

Independentemente dos motivos pelos quais alguém se sente dessa forma, é algo muito preocupante e ruim. Afinal, quem não gostaria de estar cercado de pessoas que o amam e se preocupam com ele?

Penso que todos nós gostamos e desejamos isso. É óbvio que há situações nas quais precisamos ficar a sós com nós mesmos. Basta lembrar que a Psicologia diz que todos carecem de momentos assim para ouvir a si próprios, organizar os pensamentos e sentimentos e corrigir a rota, caso considere importante. E é.

No entanto, gostaria de enfatizar que todos nós, com maior ou menor frequência, passamos por momentos de deserto e solidão. Muitas vezes, até o céu parece estar com as portas cerradas e Deus, indiferente ao nosso sofrimento. Por isso, preciso lhe dizer que ainda existe um manancial no deserto, com águas límpidas e revigorantes e que Deus continua sendo Deus, mesmo que as circunstâncias teimem em dizer que não.

Então, para refrescar sua memória, vou relembrar algumas passagens bíblicas, as quais certamente são mananciais no deserto e o ajudarão a matar um pouco dessa sede e do sentimento de solidão que, porventura, teime em afligir você.

  • “A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma…” (Salmos 19:7).

Refrigerar quer dizer tornar(-se) mais aliviado, mais reconfortante; aliviar(-se), reconfortar(-se), suavizar.

    Assim, entendemos que quando nossa alma sente sede, precisamos beber a Palavra de Deus. Não adiantará ingerir as “águas” desse mundo. Foi por isso que o Senhor Jesus disse: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva” – João 7:37 e 38.

Quando disse isso, o Mestre estava numa festa judaica importante. E já era o último dia. Logo, ele havia presenciado muitos beberem vinho até ficarem embriagados, mas a alma deles continuava sedenta. Seu interior continuava vazio. Desse modo, precisavam da saciedade que só ele, como a “água da vida”, poderia dar.

  • O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome” – Salmos 23: 1 ao 3.

Por serem tão conhecidas, muitas vezes falamos essas palavras sem refletirmos sobre seu real significado, profundidade e relevância. Porém, desafio você a pensar mais detidamente a respeito delas e desfrutar das delícias dessa água para onde o Senhor nos leva mansamente, a fim de refrigerar nossa alma, a qual tem sido vítima desse calor insuportável, gerado pelos desertos da vida.

  • “Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo” – João 16:33.

Enquanto peregrinamos neste mundo, as aflições são inevitáveis. Às vezes, somos surpreendidos por uma doença, pelo desemprego, por um problema familiar ou conjugal, que nos deixa deveras aflito. Então, é muito bom recordar que podemos contar com o Senhor e ter paz, mesmo em meio a tempestades, porque Ele venceu o mundo. Ao dizer isso, o Mestre deixa subentendido que com Ele também venceremos todas as adversidades.

  • “Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti” – Isaías 49:15.

Em momentos difíceis, é comum nos sentirmos sozinhos. Mesmo que tenhamos por perto nossos familiares ou amigos, essa sensação, infelizmente, é uma realidade. Entretanto, mesmo que de fato estejamos sós, que todos nos esqueçam ou nos abandonem, Deus promete não se esquecer de nós.

Em Isaías 49:16, o Senhor disse a seu povo: “Veja, eu gravei você nas palmas das minhas mãos…”. Ao usar essa metáfora, Deus estava dizendo que não se esquecia de seus filhos, que tinha o controle da situação e que os protegia. Hoje não é diferente, pois passará o céu e a terra, mas suas palavras não vão passar – Mateus 24:35.

  • Tu a quem tomei desde os fins da terra, e te chamei dentre os seus mais excelentes, e te disse: Tu és o meu servo, a ti escolhi e nunca te rejeitei. Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha mão direita vitoriosa” – Isaías 41:10.

Quando Deus disse isso aos israelitas, eles estavam passando por uma situação muito ruim. Por esse motivo, sentiam-se sozinhos e rejeitados. Diante desse quadro, o Senhor levanta o profeta Isaías para trazer essas reconfortantes palavras, as quais também servem para VOCÊ hoje, uma vez que o Senhor não muda, conforme lemos em Malaquias 3:6.

  • Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti” – Isaías 43:2.

Observe que o Pai não diz “se”, mas “quando”. Portanto, Read the rest of this entry »

 

Tags: , , ,

Espelho invertido

espelho de mesa

Existem pessoas que não gostam de se olhar no espelho. No entanto, a maioria gosta. Especialmente quando vão sair de casa, dar uma olhadinha rápida é algo mais do que normal e necessário.

Outros há que gastam muito tempo diante dele, pois não querem que nada fique fora do lugar. Afinal, quem não quer se apresentar bem diante das demais pessoas? Quem não gosta de receber comentários elogiosos, seja do cônjuge, parentes ou amigos? Penso que todos amam, uma vez que isso faz bem para a alma. Um enorme bem!

Antes de continuar, preciso fazer-lhe uma pergunta: Se você der “aquela” olhada no espelho e verificar que há alguma coisa que não está normal ou adequada, a mudança deve ser feita em você ou no espelho?

Essa indagação parece totalmente absurda e descabida, não é? A resposta, é obvio, deve ser: “Em mim, claro!”. Entretanto, quando se trata da vida espiritual, muitos parecem querer mudar o “espelho”, não a si mesmos, o que, certamente, é uma atitude tresloucada e perigosa.

Para o cristão, a Palavra de Deus, registrada nas Sagradas Escrituras, é o espelho diante do qual devemos nos colocar para observar diligentemente se nossa vida está em ordem ou se existem ajustes a serem feitos ou coisas que devem ser eliminadas.

Enfim, é preciso reajustar o “gps”, para não pegarmos um caminho totalmente contrário ao destino final. Quem já se perdeu, sabe muito bem como isso é chato. E mais: quantas pessoas deram de cara com a morte por terem se perdido. Já vimos muitos casos assim noticiados pela mídia, não é?

Quando olhamos para Tiago 1:22 ao 24, lemos o seguinte: “Sejam cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-se com falsos discursos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra, mas não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla no espelho o seu rosto natural; porque contempla a si mesmo, vai-se, e logo se esquece de como era”.

Hoje, infelizmente, tornou-se muito comum lermos as Escrituras Sagradas e ignorarmos completamente ensinos do Senhor. Agimos como se não lembrássemos ou não soubéssemos que eles são “Lâmpada para os nossos pés é a tua palavra, e luz para os nossos caminhos”, conforme está escrito no Salmo 119:105.

Se você já esteve ou viveu num lugar sem energia elétrica, sabe que o escuro é tremendo e, para muitos, assustador. Caso precise sair de casa, deve ter uma lanterna para alumiar o caminho por onde vai passar. Do contrário, pode se perder, tropeçar numa pedra e se ferir; cair num buraco ou até mesmo pisar numa cobra venenosa e ter sérias complicações, porque ela não vai gostar de ser pisada.

Mesmo nós que vivemos nos centros urbanos entendemos um pouco desse assunto, pois, às vezes, ficamos sem energia elétrica por um tempinho e já percebemos como isso causa transtornos. Por essa razão, quem passou por esse tipo de experiência, sabe muito bem o quanto a luz é importante e indispensável.

Em se tratando do nosso relacionamento com Deus, ocorre a mesma coisa. A sua palavra é a luz que nos impede de ficar sem a capacidade de enxergar os erros ou pecados (Só para esclarecer: pecar quer dizer “errar o alvo”, do hebraico “hatah”; no grego é “hamartia”: “sair da rota”).

Desse modo, quando ficamos frente a frente com ela, passamos a ver nossos defeitos e limitações, e devemos corrigir nossa direção, pegando o caminho de volta, a fim de nos tornarmos, cada vez mais, a imagem e semelhança do nosso Criador – Gênesis 1:26. Afinal, todo cristão deseja chegar ao seu último destino, que é estar ao lado do seu Criador e Senhor.

Vale refletir ainda sobre o que o apóstolo Paulo, ensinando a Timóteo, seu filho na fé, disse: “Quanto a você, porém, permaneça nas coisas que aprendeu e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu. Porque desde criança você conhece as sagradas letras, que são capazes de torná-lo sábio para a salvação mediante a fé em Cristo Jesus. Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” – II Timóteo 3:14-17.

Como diz o trecho em negrito, toda a Escritura é inspirada e útil. Não apenas aquilo que nos é conveniente ou que massageia o nosso ego. Alguns, por exemplo, gostam apenas da parte das promessas. No entanto, fogem daquelas que lhes dão um puxão de orelhas.

Tais pessoas precisam estar atentas ao que dizem as Escrituras em Hebreus 12: 5 ao 11: “Vocês se esqueceram da palavra de ânimo que ele lhes dirige como a filhos: “Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor, nem se magoe com a sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, e castiga todo aquele a quem aceita como filho”. Suportem as dificuldades, recebendo-as como disciplina; Deus os trata como filhos. Pois, qual o filho que não é disciplinado por seu pai?  Se vocês não são disciplinados, e a disciplina é para todos os filhos, então vocês não são filhos legítimos, mas sim ilegítimos. Além disso, tínhamos pais humanos que nos disciplinavam, e nós os respeitávamos. Quanto mais devemos submeter-nos ao Pai dos espíritos, para assim vivermos! Nossos pais nos disciplinavam por curto período, segundo lhes parecia melhor; mas Deus nos disciplina para o nosso bem, para que participemos da sua santidade. Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no momento, mas sim de tristeza. Mais tarde, porém, produz fruto de justiça e paz para aqueles que por ela foram exercitados”. Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , ,

Quem é Jesus para você?

interrogaçao

Estamos vivendo tempos trabalhosos, especialmente no que diz respeito ao exercício da fé em Cristo. Diariamente temos sido bombardeados com conceitos e ideologias que ferem de forma brutal os mandamentos divinos e o bom senso.

Além disso, em diversas partes do mundo, os cristãos são perseguidos, expulsos da sua casa, torturados e até mesmo mortos por se recusarem a negar a fé Jesus. Entretanto, tanto a ONU (Organização as Nações Unidas) como outros órgãos ligados aos “Direitos Humanos” e a grande mídia fazem vistas grossas para tal problema, como se não tivessem nada a ver com ele.

Graças a Deus, no Brasil, ainda não há cristãos sendo mortos por causa da sua fé. No entanto, isso não significa que não existem perseguições. Ao contrário, nos últimos tempos, em diversos programas de televisão, manifestações nas ruas, em shows, peças de teatro e outras supostas expressões artísticas nossa fé e até mesmo Cristo são alvos de desrespeito e vilipêndio (fazer com que alguém se sinta humilhado, menosprezado e ofendido, através de palavras, gestos ou ações), o que é crime segundo a lei brasileira.

Há alguns dias, por exemplo, um desses “artistas” chamou Jesus de “travesti” e “bicha”. A ironia é que o perfil oficial da ONU no Brasil saiu em defesa desse indivíduo, chegando a dizer o seguinte: “Solidariedade a Johnny Hoocker – contra os ataques de ódio e discriminação”. Chega a ser engraçado. Ele desrespeitou a fé de cerca de 85% da população brasileira, que é cristã, e dizem que ele é quem está sendo vítima.

Outra ironia é que a emissora de televisão que mais tem ofendido os símbolos cristãos e Cristo “promoveu” o suposto artista, convidando-o para participar de um programa que tem o objetivo de ajudar crianças. Contudo a lamentável postura dessa emissora não é nenhuma surpresa. Como não o é a perseguição, que sempre existiu e continuará a existir.

Talvez, você esteja se perguntando aonde eu quero chegar, e já lhe respondo. Sabendo que Jesus já nos prevenira sobre as perseguições, o foco não são elas ou os perseguidores. É você. Sou eu. É todo aquele que tem sede e fome de servir ao Senhor com sinceridade de coração, dando-lhe a devida honra, louvor, adoração e gratidão por toda a maravilhosa graça derramada sobre sua vida, em especial pela salvação eterna, conquistada por Cristo lá na sangrenta cruz do Calvário.

Quando olhamos para Mateus 5: 10 ao 12, vemos Jesus nos dizer: “Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.  Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós”.

Lá em João 15: 18 ao 25, o Mestre também fala sobre perseguições. No entanto, vou pegar apenas o versículo 20, no qual o Senhor declara: “Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa”.

    Veja como o Mestre nos preveniu sobre a existência desse problema. O mais lindo, porém, é que ele declara que devemos nos considerar bem-aventurados, isto é, verdadeiramente felizes quando as perseguições vierem. E vai além: devemos manifestar grande alegria, porque será grande o nosso galardão nos céus.

Parece contraditório o que Jesus falou, mas não é. Ele quis dizer que se o cristão é perseguido significa que ele está no caminho certo, ou seja, realmente ele está servindo de sal e luz para este mundo, cujos valores morais e espirituais estão apodrecidos e perecem em densas trevas. E vou além: se os ímpios (A palavra ‘ímpio’ no grego, quer dizer: ‘destituído de temor reverente a Deus’.) não se sentirem incomodados com os cristãos, devemos nos preocupar, pois significa que não estamos fazendo nenhuma diferença neste mundo pecaminoso.

Portanto, como foi dito antes, nosso foco não são os que perseguem os cristãos. De certo modo, não importa o que eles falam de nós e de Cristo. Afinal, para os ímpios, o Mestre não significa nada ou nem mesmo existiu. Para outros, ele não passa de um profeta ou de um espírito iluminado. Para os que seguem o islamismo, por exemplo, ele é um profeta menor do que Maomé, e assim por diante.

Em Mateus 16:13, Jesus perguntou para os discípulos quem as pessoas pensavam que ele era. Então, eles lhe disseram: “Alguns dizem que é João Batista; outros, Elias; e, ainda outros, Jeremias ou um dos profetas” – Mateus 16:14. A seguir, Cristo lhes perguntou: “E vocês? “Quem vocês dizem que eu sou?” – Mateus 16:15. Observe que o maior interesse de Jesus era saber o que seus discípulos pensavam sobre ele.

Veja o que lhe respondeu Pedro: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” – Mateus. 16:16. Mas o que é ser o Cristo? Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: