Anúncios
RSS

Arquivo da tag: semear

Quem planta colhe

semeadura

Uma das verdades mais concretas é a que diz respeito à lei da semeadura. Ela tanto pode ser aplicada em seu sentido mais comum, ou seja, de plantar arroz, feijão, milho, amendoim ou qualquer outro grão como de modo metafórico, isto é, figurado ou simbólico.

Lembro-me perfeitamente de que, quando meu pai queria colher arroz, ele não depositava feijão no solo e, se seu objetivo era colher milho, não plantava amendoim. Isso por uma questão óbvia. Recordo-me também que ele sempre comprava boas sementes, pois seu desejo era fazer uma boa colheita.

Quando penso sobre esse assunto, me vem à mente um texto bíblico muito interessante, o qual está registrado em Gálatas 6:7 e diz o seguinte: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer, porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará”. Há outra versão que fala: “De Deus não se zomba”. Que coisa séria!

Logicamente, é possível entender esse texto de duas maneiras: a negativa e a positiva. Negativamente falando, significa que se alguém fizer coisas más certamente colherá o mal. Por outro lado, caso pensemos em seu aspecto positivo, perceberemos que Deus não fica devendo nada a ninguém, porque não aceita ser alvo de escárnio ou de deboche.

Isso quer dizer que, se ele prometeu algo, não há dúvida de que vai cumprir. No entanto, é óbvio que no tempo dele e da maneira que considerar a mais adequada; porém, sempre respeitando o que diz sua palavra, pois “Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?” – Números 23:19.

Por essa razão, precisamos estar atentos ao que declara Paulo em Gálatas 6:9: “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido ou desanimado”. Por certo, o apóstolo assim escreveu porque muitos ou todos nós temos uma tendência natural de começar bem, mas, aos poucos, ir perdendo o ânimo até deixar de fazer algo ou mesmo permitir que aquilo caia no esquecimento.

Quero, porém, que não me entenda mal. Não estou julgando aqueles que perdem a motivação, pois, muitas vezes as circunstâncias são tão adversas que, aparentemente, a decisão mais sábia parece ser jogar tudo para o alto, colocar a viola no saco e ir cantar em outro lugar. Ou não cantar mais. Eu mesmo já me senti assim um sem-número de vezes. Infelizmente.

Apenas almejo dizer que nesses momentos existe algo que me tira esse desânimo: a Palavra de Deus, a qual age como combustível que dá energia e potência para esse motor talvez um tanto danificado pelas circunstâncias desfavoráveis e frustrantes – meu coração e mente.

Quando me sinto sem forças ou sem motivos para continuar, reflito sobre o que dizem as Escrituras Sagradas nos textos a seguir e isso faz ressurgir a razão de continuar servindo a Deus com alegria e também para executar as tarefas diárias com integridade, sempre buscando a excelência, ainda que às vezes ela pareça brincar de esconde – esconde.  Veja-os:

E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens,  sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis.” (Colossenses 3:23)

Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus; servindo de boa vontade como ao Senhor, e não como aos homens. Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre.” (Efésios 6:6 ao 8)

Nesses dois trechos bíblicos há algo em comum. Em ambos, o apóstolo Paulo nos admoesta, ou seja, aconselha a realizar nossas atividades como se estivéssemos fazendo diretamente ao Senhor, de quem receberemos o galardão, isto é, a recompensa pelo bem que fizermos.

Diz ele também que devemos fazer de todo o coração, servindo de boa vontade como a Deus. Obviamente, nossas tarefas diárias envolvem e afetam pessoas como nós. No entanto, conforme disse Jesus, se dermos um copo de água a alguém, é como se déssemos diretamente a ele. Veja Mateus 10:42: “E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão.

Há, ainda, algo que desejo destacar: “fazer de todo o coração” e “servindo de boa vontade”. Isso significa que não podemos nem devemos fazer de qualquer jeito. Caso a ação envolvesse Jesus em carne e osso, faríamos de qualquer maneira? Penso que não. Logo, precisamos seguir essa mesma lógica quando se trata de pessoas. É fácil? Sem dúvida, não. Entretanto, se pedirmos sabedoria e força ao Senhor, certamente conseguiremos manter o foco e executaremos nossas atividades, sejam elas profissionais ou não, com qualidade. A qualidade que o Senhor merece.

Sendo assim, quero incentivá-lo a continuar na prática do bem sem deixar a peteca cair, isto é, sem desanimar, sem perder as forças e a motivação. Mesmo que as situações sejam adversas ou que não esteja vendo nenhum resultado imediato, persista e prossiga para o alvo.

Lembre-se de que uma semente pode levar alguns dias para germinar, muitos outros para crescer e outros tantos para frutificar. No entanto, se a árvore for bem cuidada, há de produzir bons frutos. Portanto: escolha bem as sementes, zele da plantação e aguarde a colheita a trinta, a sessenta e a cem por um, porque fiel é o que prometeu – o Senhor nosso Deus, o qual certamente não irá decepcioná-lo. Há um grande galardão esperando por você. É simplesmente uma questão de tempo para ele vir para os seus braços.

Anúncios
 

Tags: , , , , ,

João-Bobo

Boneco-Joao-Bobo

Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e deleita-se no seu caminho. Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor o sustém com a sua mão.” (Salmo 37:23,24)

Há um brinquedo com uma característica curiosa: sua base é bem pesada e a parte superior, muito leve. Por isso, mesmo que alguém o incline para os lados, não fica inclinado: sempre volta à posição de origem – a vertical. Seu nome? João–bobo. Não sei se esse é seu verdadeiro nome, mas é assim que o chamam na região de onde vim.

Ainda que lhe venha parecer uma tolice de minha parte, a imagem desse brinquedo me faz pensar na vida, especialmente no que tange à área espiritual e, automaticamente, na parábola de Jesus a respeito de dois construtores: um insensato e o outro, prudente (Mateus 7:7 ao 11).

O primeiro construiu sua casa sobre a areia. Talvez por querer economizar tempo, porque seria mais fácil escavar um terreno arenoso; dinheiro, já que exigia menos material e a mão-de-obra seria mais barata. Quem sabe não quis nem sequer contratar um engenheiro ou arquiteto para elaborar um projeto seguro e confiável – ou ainda por desejar facilidade.

O outro optou por construir sobre a rocha. Já imaginou o trabalhão que deu escavar/cavar nesse tipo de terreno? Quanto custou o projeto e a execução dele? E o tempo que gastou?

Entretanto, tudo é uma questão de escolha. E as colheitas que fazemos refletem muito bem o tipo de semente semeada (Gálatas 6:7: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.”), o tempo e os recursos empregados durante a construção.

Então podemos ver os seguintes resultados das escolhas feitas, das sementes plantadas, sobretudo quando sobreveio a tempestade.

A casa do primeiro certamente ficou pronta em menos tempo e exigiu menos investimento. Porém, diante das adversidades, ruiu e foi grande a sua queda, uma vez que ela não possuía alicerce e estrutura capazes de suportar a força dos ventos e das águas. Aquilo que em princípio parecia ser lucro, ser esperteza, tornou-se uma terrível dor-de-cabeça, um imenso prejuízo, desgraça e vergonha.

O segundo construtor foi muito mais prudente e sensato, não se preocupando com o tempo e com os recursos necessários para fazê-la com segurança, e a fez no tipo de solo adequado. Logo, estava preparada para enfrentar e resistir à força das águas e dos ventos, os quais batiam com enorme ímpeto contra ela e, mesmo assim, permanecer em pé e intacta. E foi isso o que ocorreu: depois da tempestade, estava ela de pé, firme e imponente.

Metaforicamente falando, o construtor que edificou sua casa sobre a areia é aquele que se apóia em filosofias e conceitos humanos ou em seu próprio “achismo”. Deus declara em Jeremias 17:5,9 e 10: “Maldito o homem que confia no homem, que faz da humanidade mortal a sua força, e aparta o seu coração do Senhor. (…) Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Eu, o Senhor,  esquadrinho o coração e provo os rins; isto para recompensar a cada um segundo a sua conduta e conforme o fruto das sua ações”.

Por quê? Porque confiar cegamente em si mesmo ou em outrem é um gigantesco erro. Somente em Deus podemos depositar plenamente nossa confiança. Ele é infalível e imutável. “Não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?” (Números 23:19)

Pode ser também o cristão que não alicerça sua vida espiritual nem a física, emocional, psicológica, familiar, profissional, financeira ou qualquer outra área dela sobre a Palavra do Altíssimo, sobre a oração e o jejum. Tais pessoas desabam, sucumbindo com imensa facilidade e rapidez diante das intempéries. Sua queda é perceptível a todos. Sua desgraça é gigantesca e pode até afetar os que estão ao seu redor. (Já viu alguma história assim? Que tristeza, não é?)

Já aquele que erigiu sua casa sobre a rocha é o cristão sábio, o qual fundamenta todas as áreas da sua vida nos mandamentos e promessas de Deus. Cultiva uma rotina de leitura da Palavra e meditação, isto é, investe tempo em refletir a respeito do que leu, como ensina o Salmo 1º:1,2: “Bem-aventurado – feliz de verdade – o varão que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite.”. Mantém um período de oração (“Orai sem cessar” – I Tessalonicenses 5:17) e jejum (“E era viúva, de quase oitenta e quatro anos, e não se afastava do templo, servindo a Deus em jejuns e orações, de noite e de dia.” – Lucas 2:37).

Não quero dizer, no entanto, que você deve deixar seus afazeres, suas obrigações cotidianas para se dedicar a isso. O que desejo lhe transmitir é que precisa investir tempo em sua vida espiritual. O tempo que você pode. Caso contrário, não terá sabedoria e forças para enfrentar o dia mau e permanecer em pé.

Um cristão sábio, portanto, não se deixa levar por filosofias humanas, “achismos”, conceitos ou preconceitos. Assim, ao ser atingido por alguma tempestade, pode até tombar para os lados, mas não será destruído, não sucumbirá, não entrará em desespero, não entrará em pânico, não ficará prostrado. Antes, como águia, ele sairá renovado e fortalecido daquela situação, e não provará do opróbrio (vergonha intensa e contínua) nem afetará negativamente quem está ao seu redor.

Ao contrário, servirá de exemplo vivo para outros que também precisam vencer, mas não sabem como, pois, nessa situação e nessa pessoa, verão cumpridas as promessas que dizem: “Porque o justo sete vezes cairá, e se levantará; mas os ímpios tropeçarão no mal.” (Provérbios 24:16) e “Toda arma forjada contra você não prosperará, e toda a língua que se levantar contra você em juízo você a condenará…” (Isaías 54:17).

Meu querido, o construtor sábio é como o joão-bobo: pode até tombar para um lado e para o outro ao passar por alguma adversidade; entretanto, sempre voltará ao centro, onde é o seu lugar. É uma pessoa estável, que não teme falsos rumores (“Não temerá más notícias; seu coração está firme, confiante no Senhor. O seu coração está seguro e nada temerá. No final, verá a derrota dos seus adversários.” – Salmo 112:7,8)

Também é ou será um indivíduo que não vive pela lógica do mundo, mas pela de Deus (“E não se conformem com este mundo, mas sejam transformados pela renovação da sua mente/entendimento, para que experimentem a boa, perfeita e agradável vontade de Deus.” – Romanos 12:2). Por isso, convido você a ser também um “joão-bobo” (no bom sentido da palavra, é claro).

Que o Senhor o abençoe rica e abundantemente em tudo e lhe dê sabedoria – a coisa principal, como nos diz Provérbios 4:7 –, a fim de que você também seja um construtor sábio, cuja casa permanecerá inabalável e intacta, mesmo em meio às mais fortes e aterradoras tempestades que vierem açoitá-lo ao longo da sua trajetória aqui na terra.

 

Tags: , , , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: