RSS

“Nem tudo que reluz é ouro”

09 jan
Ló olhou demoradamente para as planícies férteis do vale do Jordão, na direção de Zoar. A região toda era bem irrigada, como o jardim do Senhor, ou como a terra do Egito.

“Ló olhou demoradamente para as planícies férteis do vale do Jordão, na direção de Zoar. A região toda era bem irrigada, como o jardim do Senhor, ou como a terra do Egito (Isso foi antes de o Senhor destruir Sodoma e Gomorra.).” (Gênesis 13:10)     

     Há um ditado popular que diz: “Nem tudo que reluz é ouro”. Penso que ele é, de fato, muito verdadeiro. Basta-nos buscar em nossa memória episódios nos quais fomos traídos por nossos olhos que os encontraremos. Eles se iludiram com a aparência de coisas e pessoas que, com a convivência ou com um conhecimento mais completo, mostraram-se muito diferentes daquilo que demonstravam ser. Muitas vezes, geraram prejuízos irreparáveis, não apenas financeiros, mas também em outras áreas, como a emocional.

     Na Bíblia, encontramos diversas histórias que ilustram muito bem a afirmação acima. Uma delas, por exemplo, começa a ser contada a partir do momento em que Deus fala com Abrão (o qual passou a ser chamado de Abraão) e lhe diz para sair da terra onde ele morava e do meio da parentela – Gênesis 12:1-3.

     Em Gênesis 12:5, lemos que Ló, seu sobrinho, também seguiu para o lugar ao qual o Senhor decidira levar Abraão e Sara para começar a escrever uma nova história com eles, iniciando um povo, o qual, posteriormente, passaria a se chamar Povo de Israel.

     Quando chegamos a Gênesis 13:2, 5 e 6, lemos o relato de que tio e sobrinho haviam prosperado muito e possuíam grandes rebanhos. Como consequência, careciam de muito espaço e pasto suficientes. Ao que tudo indica, tal necessidade levou os pastores dos dois homens a contenderem seriamente – Gênesis 13:7. 

     Como Abraão era um homem justo, sensato e sábio, chamou o sobrinho e fez o comentário a seguir: “Ora, não haja contenda entre mim e ti e entre os meus pastores e os teus pastores, porque irmãos/parentes somos” – Gênesis 13:8.

     Ele sabia que conflitos frequentemente geram prejuízos. Por essa razão, devem ser evitados. Afinal, relacionamentos arranhados por discussões levam à perda da comunhão, da confiança e, inevitavelmente, ao distanciamento. 

     Prosseguindo, o tio disse ao sobrinho: “A região inteira está à sua disposição. Escolha a parte da terra que desejar e nos separaremos. Se você escolher as terras à esquerda, ficarei com as terras à direita. Se preferir as terras à direita, ficarei com as terras à esquerda” – Gênesis 13:9.

     Ei! Espere um pouco! Parece haver alguma coisa errada aqui! Quem foi chamado por Deus? Abraão. Quem era mais velho? Abraão. Quem tinha maior autoridade e direito naquela sociedade? Abraão. A quem Deus fizera as promessas? A Abraão.

     Ora, então era ele quem devia fazer a escolha primeiro! Mas parece que ele não foi justo consigo mesmo, com sua mulher, nem com seus empregados. Como pode isso? Será que ele havia perdido o bom senso?

     Observe que logo acima eu disse “parece”. Na realidade, apenas à primeira vista temos essa impressão, pois, com o desenrolar da história, perceberemos que a decisão tomada por Abraão foi muito sábia. Com ela, ele ensina-nos grandes lições, as quais certamente também podem livrar-nos de grandes perigos disfarçados de campinas verdejantes, com cara de Jardim do Éden ou de Paraíso.

     Um dos ensinamentos já vimos: “Nem tudo que reluz é ouro”. Ou seja: Nem tudo que aparenta ser valioso, verdadeiro ou importante, de fato o é. Pode ser apenas um laço ou uma armadilha que levará à ruína financeira, familiar, relacional, moral ou espiritual. E foi o que aconteceu com Ló e sua família, como veremos a seguir. 

     Como Abraão era um homem temente a Deus, tinha plena consciência de seu chamado e passara a conhecer de perto quem o chamara e lhe fizera promessas. Por isso, estava convicto de que a bênção não estava necessariamente naquela campina bem irrigada, a qual se parecia com o Jardim do Éden – Gênesis 13:10. Ela estava com o Senhor. Logo, em qualquer lugar que escolhesse habitar, seria abençoado e prosperaria, porque o Abençoador, estaria presente – Yahweh-shamah.  

     Evidentemente, muitas vezes Deus orienta uma pessoa a mudar de lugar, de emprego, de condição, de “amigos”, de hábitos, comportamentos, atitudes, conceitos e de muitas outras coisas. E, quando o Altíssimo dá diretrizes assim, é porque ele sabe o que não sabemos, vê o que não vemos e pode fazer por nós o que jamais poderemos sozinhos.

     No entanto, tais mudanças só trarão benefícios se vierem recheadas de obediência, humildade, temor ao Senhor e convicção de que ele se faz presente e cuidará para que suas promessas se cumpram à risca, pois “fiel é o que prometeu” e “vela por sua palavra para fazê-la se cumprir” – Hebreus 10:23; Jeremias 1:12.

     Foi tal certeza que fez com que Abraão não ficasse preso à tradição patriarcal e àquilo que seus olhos estavam vendo. Na verdade, ele descansou nos braços do Pai, sabendo que o Senhor cuidaria de todos os detalhes da sua vida e futuro. E cuidou!

     A partir de Gênesis 13:10 ao 13, começamos a entender que Ló realmente fora traído por seus próprios olhos: no lugar que escolheu para viver, estava Sodoma. Essa cidade, assim como Gomorra, era habitada por homens maus e grandes pecadores contra o Senhor – v 13. Mas, pelo que percebemos, isso Ló não enxergou a princípio, posto que seus olhos estavam ofuscados pelo fascínio das coisas materiais, possíveis lucros e poder.

     Conforme veremos nos próximos capítulos, Ló prosperou grandemente no que diz respeito a conquistas materiais. Também entendemos que ele se tornou uma pessoa importante e influente. Provavelmente um juiz, uma vez que o vemos sentado às portas da cidade (O processo geralmente era realizado nas portas da cidade: os juízes ficavam sentados, os litigantes ficavam de pé ) – Gênesis 19:1.

     Entretanto, apesar de ter prosperado e se tornado influente em Sodoma, como vemos nos capítulos 18 e 19 de Gênesis, teve grandes prejuízos, os quais só não foram maiores e piores ainda porque Abraão intercedeu por ele junto a Deus. Mesmo assim, quase entregou suas filhas para serem estupradas pelos homens daquele lugar. Além disso, sua mulher foi transformada numa estátua de sal, visto que desobedeceu a uma ordem expressa de Deus, numa clara demonstração de que o coração dela já estava preso àquele lugar, valores e costumes que ofendiam ao Senhor.

     Se isso não bastasse, na fuga, Ló não teve como levar os bens que conquistara. Aliás, só não foi destruído junto com a cidade porque seu tio intercedeu por eles junto a Deus, conforme já vimos. Assim, notamos claramente que todas as conquistas materiais e o status adquirido ao longo do tempo não valeram a pena, pois quase custaram sua vida e toda a sua família. 

     Por outro lado, com Abraão aconteceu algo indescritível. Após a escolha feita por Ló, o Senhor lhe disse: “De onde você está, olhe para o Norte, para o Sul, para o Leste e para o Oeste: Toda a terra que você está vendo darei a você e à sua descendência para sempre. Tornarei a sua descendência tão numerosa como o pó da terra. Se for possível contar o pó da terra, também se poderá contar a sua descendência. Percorra esta terra de alto a baixo, de um lado a outro, porque eu a darei a você. Então Abrão mudou seu acampamento e passou a viver próximo aos carvalhos de Manre, em Hebrom, onde construiu um altar dedicado ao Senhor” ─ Gênesis 13:14-18.

     Observe que Deus confirmou a promessa de abençoar Abraão e sua descendência. Em outras palavras: Assegurou que estaria com seu servo onde quer que ele estivesse. Isso significa que mesmo o sobrinho tendo escolhido o lugar que parecia ser o melhor aos olhos humanos, não importava. O melhor lugar do mundo é aquele em que o Senhor se faz presente. Inclusive há um cântico cristão que diz: “Em terra ou mar, seja onde for / É céu andar com meu Senhor” (Música Com Cristo é céu / Cantor cristão, 490).

      Hoje não é diferente. Muitas pessoas (e me incluo nisso) têm feito escolhas baseadas apenas em avaliações e conclusões pessoais, as quais resultam daquilo que os olhos veem e a mente limitada e falível considera bom. Por conseguinte, as colheitas geralmente ficam abaixo das expectativas ou geram apenas prejuízos.

     No entanto, se hoje ouvirmos a voz de Deus, e não endurecermos o nosso coração, certamente viveremos isto: “Se vocês estiverem dispostos a obedecer, comerão os melhores frutos desta terra…” ─ Isaías 1:19. E a História mostra que essa promessa se cumpriu à risca na vida de Abraão e na de seus descendentes, enquanto permaneceram dispostos a obedecer às Palavras do Senhor.

      Com você e comigo não é diferente. Em Malaquias 3:6, o Senhor disse a seu povo: “Porque eu, o Senhor, não mudo”. Obviamente, o contexto era outro, mas o princípio, ou seja, a base do entendimento ou raciocínio, é o mesmo. Logo, assim como o Altíssimo foi com Abraão e com tantos outros servos fiéis a ele ao longo da História, também há de ser conosco.  

      Certa feita, Jesus disse: Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão ─ Marcos 13:31. Portanto, aquilo que o Senhor prometeu há milhares de anos a quem lhe obedecesse continua e continuará valendo. Acredito que você mesmo tem experiências concretas da fidelidade de Deus em sua vida e família. Sendo assim: “… cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé; tendo o coração purificado da má consciência e o corpo lavado com água limpa, retenhamos firmes a confissão da nossa esperança, porque fiel é o que prometeu Hebreus 10:22,23.

     Antes de concluir este artigo, sinto em meu coração a necessidade de retornar ao episódio envolvendo a esposa de Ló. Como já visto, havia uma ordem expressa do Senhor para saírem daquele lugar apressadamente e não deviam olhar para trás. Todavia, ela olhou e, segundo a Bíblia, foi transformada numa estátua de sal. Mas por que ela desobedeceu a Deus? E por que ele foi tão severo com ela?

     Como eu já disse, o Senhor vê coisas que não vemos, conhece o que não conhecemos e pode fazer o que sozinho não podemos. Então, ele sabia que o “simples” fato de olhar para trás seria uma clara demonstração de que seu coração estava naquele lugar e não estava disposta a mudar, porque o “tesouro” dela passara a ser o estilo de vida e os valores daquelas pessoas, as quais eram más e grandes pecadoras contra o Senhor – Gênesis 13:13.

     Certa feita, Jesus fez uma declaração que vem ao encontro do que aconteceu com essa mulher: “Porque onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração” – Lucas 12:34. Portanto, aquela olhadela revelava o que havia se tornado o maior tesouro dela. E não era Deus, nem seus mandamentos. Infelizmente.

     Ao olhar para trás, mesmo que não tivesse proferido nenhuma palavra de lamentação sobre sua necessidade de sair dali, estava declarando ao Senhor que o estilo de vida e valores de Sodoma eram mais importantes do que seu relacionamento com ele. Assim, não deu alternativa ao Pai.

     Esse trágico acontecimento serve de lição e de alerta a todos nós. O estilo de vida e os valores do mundo atual em muitos aspectos não têm agradado ao Senhor. E, segundo as Escrituras, um dia ele também dará a ordem para deixarmos este mundo, uma vez que tem um lugar melhor, reservado para todos os que receberem Jesus como seu Senhor e Salvador pessoal: “{Jesus} Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam. Mas, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus, os quais não nasceram por descendência natural, nem pela vontade da carne nem pela vontade de algum homem, mas nasceram de Deus” e “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar lugar para vocês e, quando tudo estiver pronto, virei buscá-los, para que estejam sempre comigo, onde eu estiver” – João 1:11 ao 13; 14:1 ao 6.

      Se existe essa promessa da parte do Senhor, precisamos fazer uma avaliação minuciosa do nosso coração, pois, “onde estiver o nosso tesouro, ali também estará o nosso coração”. Portanto, que o nosso maior tesouro seja o Senhor Jesus Cristo e tudo o que lhe diz respeito.

     Para finalizar, gostaria de fazer umas breves considerações:

  • A bênção não está necessariamente em um determinado lugar, mas onde Deus estiver conosco. Logo, podemos viver uma vida próspera e feliz mesmo em lugares ou condições totalmente improváveis ou desfavoráveis aos olhos humanos (mesmo que esses olhos sejam os nossos mesmo).
  • A escolha feita por Ló pareceu a seus próprios olhos ser a mais inteligente, mas o tempo revelou que ele estava completamente enganado, uma vez que os prejuízos foram enormes e irreversíveis.
  • Abraão pôs seus olhos em Deus e suas promessas. Por isso, ele e sua descendência desfrutaram, e desfrutam, das mais copiosas bênçãos.
  • Se mantivermos nossos olhos no Senhor, também viveremos uma vida próspera e feliz, pois ele continua sendo o mesmo ontem, hoje e eternamente – Hebreus 13:8.
  • Precisamos estar atentos ao que dizem as Escrituras, porque, mesmo que nem todas as coisas sejam pecados, podem ser grandes embaraços que nos afastarão do Caminho: “Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus” – Hebreus 12:1,2.
  • Quanto a cada um de nós, vale a pena fazer a seguinte pergunta: “Existe alguma campina verdejante me atraindo?” Talvez, para alguns seja o sexo desaprovado por Deus. Para outros, as drogas, o dinheiro conquistado de forma desonesta, o orgulho, a avareza ou qualquer outra coisa abominável aos olhos do Senhor.
  • “Portanto, quer comamos, quer bebamos ou façamos outra qualquer coisa, façamos tudo para a glória de Deus” – 1 Coríntios 10:31. Que esse seja nosso propósito e nosso estilo de vida! Que almejemos as coisas eternas, não as terrenas e passageiras!
  • “Que a graça, a misericórdia, a paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, o Filho do Pai, sejam com vocês na verdade e amor” – 2 João 1:3.
 

Tags: , , , , , , , , , ,

2 Respostas para ““Nem tudo que reluz é ouro”

  1. Sandra Bone

    10/01/2023 at 16:55

    Palavras a abençoadas e verdadeiras! Glórias a Deus! Ele é fiel o tempo todo!

    Curtido por 1 pessoa

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: