Anúncios
RSS

Arquivo da tag: Palavras de Jesus

Se você não pode, Jesus pode

Man sitting desperately under the cross

Não sei se o que vou dizer já aconteceu com você, mas comigo isso já aconteceu muitas vezes: Houve e ainda há situações nas quais me senti ou me sinto impotente e incapaz para agir ou reagir de modo correto a fim de resolver determinado problema. E tenho de confessar que é um sentimento realmente ruim e incômodo.

Por outro lado, sentir-me assim não é de todo mal nem vergonhoso, porque me faz perceber o quanto sou… humano e, consequentemente, limitado. Além disso, também me leva a fazer fantásticas descobertas a respeito do meu Senhor e Salvador. Assim, entendo que não estou sozinho para lutar contra esses leões e gigantes que teimam em se colocar no meu caminho. Desse modo, sinto-me fortalecido, amparado e vejo o quanto sou amado pelo meu Senhor, o qual jamais me desampara.

     Uma das descobertas mais lindas e importantes é que a Bíblia fala que Jesus veio ao mundo em forma divina e também humana. As Sagradas Escrituras ainda revelam os motivos pelos quais seu nascimento foi dessa forma. Veja o que declara o escritor da Epístola ao Hebreus: “Por essa razão, era necessário que ele se tornasse semelhante a seus irmãos em todos os aspectos, para se tornar sumo sacerdote misericordioso e fiel com relação a Deus e fazer propiciação pelos pecados do povo. Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados” – 2:17 e 18.

Quão profunda é essa declaração! Sei que jamais vou conseguir externar aquilo que sinto quando a leio. Também minha limitação não me permite explicar totalmente esse texto. No entanto, tenho pedido ao Espírito Santo que caminhe comigo nesta jornada e me capacite para eu poder expressar algumas das verdades presentes aqui, pois creio que serão bênção para sua vida.

Antes, porém, quero dizer que não tenho conhecimento daquilo que está acontecendo com você neste momento. Sei apenas algumas coisas que acontecem com algumas pessoas e comigo. Contudo, isso não importa, porque, mesmo que eu soubesse de tudo, não teria poder para curar suas feridas e suprir suas necessidades mais profundas. Entretanto, vou indicar alguém que pode e tem prazer em socorrê-lo em todo tempo, especialmente naqueles em que está mais carente: Jesus.

Sendo assim, a primeira observação a fazer é que, como diz o texto bíblico mencionado acima, o Senhor se tornou semelhante a nós em todos os aspectos ou em tudo, a fim de nos entender integralmente e, assim, ter condições de nos socorrer quando formos tentados, o que, dependendo do contexto, significa os períodos nos quais passamos por alguma provação ou situação que foge ao nosso controle.

Consequentemente, tudo o que já passamos, estivermos passando ou viermos a passar não é nenhuma novidade ou algo desconhecido pelo Senhor. Se for uma dor física, ele também a sofreu, uma vez que foi espancado pelos soldados. Além do mais, puseram nele, à força, uma coroa de espinhos, causando-lhe uma dor intensa. Caso seja uma dor emocional ou psicológica, ele também a conhece muito bem.

Sendo a dor da humilhação pública, Jesus a sentiu profundamente, pois o despiram diante das pessoas, cuspiram em seu rosto, do qual só emanavam expressões e olhares de amor e de compreensão. Ademais, zombaram dele, disseram-lhe palavras depreciativas que, certamente, doíam no mais profundo da sua alma. Muito mais do que as bofetadas e chicotadas que desferiam em seu corpo.

Se porventura for a dor da decepção com as pessoas, o Senhor sabe muito bem o que isso significa. As pessoas a quem mais dedicara amor, bondade e tempo viraram as costas para ele. Judas o traiu covardemente, mesmo assim Jesus o chamou de amigo – Mateus 26:50. Pedro, que dissera que se preciso fosse morreria com ele, negou conhecê-lo – Mateus 26:35. Os demais discípulos também o abandonaram no momento em que carecia de, pelo menos, uma demonstração de amor e gratidão – Mateus 26:56.

A dor da solidão também não lhe é desconhecida. Como sabemos, Jesus não cometeu nenhum pecado (Hebreus 4:15). Todavia, quando foi posto naquela sangrenta cruz, o Senhor atraiu o pecado e a culpa de todos nós para, dessa forma, reconciliar-nos com o Pai. Por essa razão, naquele momento, Deus precisou se afastar dele, pois o pecado o afasta do homem – Isaías 59:2: “Mas as suas maldades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto dele, e por isso ele não os ouvirá”.

O desprezo e a incompreensão também Read the rest of this entry »

Anúncios
 

Tags: , , , , , , ,

A morte encontra a Vida

Filho da viúva de Naim

Jesus sempre estava em movimento. Mas não confunda isso com uma correria desenfreada e sem objetivo definido. Ao contrário, ele estava no lugar certo, na hora certa e mudava as circunstâncias e situações, caso fosse preciso. Inclusive andava em sentido oposto à ordem natural das coisas, produzindo, assim, seus milagres.

Numa de suas andanças evangelísticas, vemo-lo indo à cidade de Naim juntamente com muitos dos seus discípulos – Lucas 7:11 ao 17. Perto da porta da cidade, encontram uma mãe viúva que ia enterrar seu único filho. Que situação triste! Ter perdido o marido já era algo terrível, pois, além de ser seu companheiro, supria suas necessidades sentimentais, emocionais, afetivas e sexuais, era o provedor do sustento da casa.

No entanto, ainda havia uma esperança para ela: o filho. Porém, ele também morrera. Não sabemos sua idade nem a causa de sua morte. Todavia, independentemente de termos ou não essas informações, podemos perceber que o mundo desabara sobre a cabeça dessa pobre mãe. O que pensava naquele momento? Que rumo tomaria se não tivesse posses para se sustentar? E se não houvesse ninguém que pudesse socorrê-la naquele momento tão triste e, por que não, desesperador? Para dizer a verdade, eu não queria estar na pele dela. Não mesmo.

Nesse ponto, é importante observar que uma grande multidão seguia com aquela mulher em direção ao lugar onde o filho seria sepultado – 7:12. Por certo, a família dela era querida. Entretanto, o que poderiam fazer as pessoas além de participar do enterro e tentar consolá-la? Talvez, por algum tempo a visitassem para confortá-la e levar alguma ajuda financeira. Contudo, com o passar dos dias, as visitas iriam rareando. Ademais, tudo o que fizessem seria insuficiente para aplacar a dor daquela mãe com o coração partido, não é mesmo? Quem sabe você conhece bem de perto o que significa a perda de pessoas tão importantes por já ter passado por uma situação igual ou semelhante a essa.

Mas a morte encontrou a vida. Como assim? O defunto deparou-se com Jesus antes de descer à sepultura! E, quando ocorre um encontro desses, algo maravilhoso e sobrenatural também acontece. Lembre que eu disse que o Mestre não anda sem rumo. Seus passos eram mínima e sabiamente calculados para mudar a história de pessoas como essa pobre mãe.

Quando lemos o versículo 13, vemos Lucas dizer: “E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores”. Mas… Aparentemente não há nada de surpreendente nessa fala de Jesus. Aliás, qualquer pessoa poderia der dito o mesmo. Inclusive eu. No entanto, dizer para alguém que perdeu um ente querido: “Não chores.” é mais para ser educado ou para cumprir tabela, pois assim reza uma (in)consciente tradição. Porém, de quase nada adianta.

Talvez, houve pessoas entre os presentes que começaram a criticar o Mestre por atrapalhar a caminhada deles. Quem sabe alguns, já sabendo da fama do Senhor, começaram a questionar por que ele não se dispunha a fazer alguma coisa para ajudá-la. É possível ainda que alguns tenham pensado ou mesmo falado: “Se ele é o Messias, por que não ressuscita esse rapaz?”.

Contudo, eu disse “aparentemente”, pois o desenrolar dos fatos mostrará que a vida daquela mulher jamais seria a mesma depois desse surpreendente e vivificante encontro. O Senhor sabia muito bem o que estava fazendo. Então vamos mergulhar um pouquinho comigo nesse versículo?

Todas as vezes que há  esse registro “… o Senhor moveu-se de íntima compaixão”, a seguir vemos o milagre acontecendo. E foi justamente o que ocorreu. Veja: “E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar.  E entregou-o à sua mãe” (7:14 e 15). Aleluia!!!

Você consegue imaginar qual foi a reação daquela mãe e como seu coração ficou? Certamente ela ficou estupefata, ou seja, boquiaberta, pasmada ou atônita diante daquilo. Suponho que por uns instantes ela pensou não ser verdade o que seus olhos viam. E não era para menos. Quem não ficaria? Talvez, se fosse eu, diria: “Ei, me belisque para eu ver se é verdade!”. E de fato era real. Glórias a Deus!

Creio que a partir daquele dia sua vida recobrou o brilho perdido e passou a ser muito mais feliz. Não é para menos, pois aquilo que o Senhor faz gera felicidade real e duradoura. Novamente ela podia expressar seu amor e cuidado maternos. Também podia sentir-se amada e protegida pelo filho e seguir seu caminho segurando na mão de Deus, cumprindo, desse modo, o propósito da vida.

Veja o que aconteceu quando as pessoas presentes viram o milagre da ressurreição: “E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, e Deus visitou o seu povo” – v 16Além de ter trazido a alegria de volta àquela mãe, Jesus gerou uma oportunidade para que as pessoas o reconhecessem como alguém especial e glorificassem a Deus. Não é magnífico?

Agora, quero chamar a sua atenção para algo Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: