Anúncios
RSS

Arquivo da tag: esperança

O céu não está em crise

crise-oportunidade

        Caro internauta, estamos chegando ao final de mais um ano. Aliás, faltam apenas alguns degraus para findarmos esta jornada. Sei que para muitos, ou quem sabe para a maioria de nós, foi uma caminhada extremamente difícil, visto que o mundo está cada vez mais conturbado e o último degrau parece inatingível, sobretudo porque nossas pernas já estão exaustas e trôpegas.

Infelizmente, o Brasil não ficou de fora dos ventos e tempestades que sacudiram os alicerces do mundo. Fomos assolados por uma profunda crise econômica e política, a qual desestruturou o país, especialmente quem possui menos recursos financeiros. No entanto, meu objetivo aqui não é falar de problemas.

Ao contrário, almejo dizer que o céu não está em crise. Deus continua sendo Deus. Portanto, suas promessas continuam fiéis e verdadeiras, pois, como nos diz Números 23:19: “Deus não é homem para que minta, nem filho de homem para que se arrependa. Acaso ele fala, e deixa de agir? Acaso promete, e deixa de cumprir?”. Evidentemente a resposta é: Não!!!

Por essa razão, ainda que as adversidades o perseguiram e, talvez, algumas delas conseguiram alcançá-lo, você chegou até aqui. Quem sabe você perdeu algumas batalhas, mas não a guerra. E não há dúvida de que vencerá os últimos obstáculos deste ano. Digo isso porque, como já afirmei, o céu não está em crise e o Senhor é nosso Jeová-jirê (Deus provedor) – Gênesis 22:14 e o El Shaddai, ou seja, o Todo Poderoso – Jó 33:4; II Coríntios 6:18.

Além disso, as Escrituras Sagradas dizem que Ele é o dono das riquezas deste mundo: “Minha é a prata, e meu é o ouro, diz o Senhor dos Exércitos. A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o Senhor dos Exércitos, e neste lugar darei a paz, diz o Senhor dos Exércitos” – Ageu. E ele, como pai maravilhoso que é, almeja compartilhar o que possui com você, seu filho amado – João 17:23b; Mateus 7:7 ao 11.

Por isso, ele enviou Seu filho para morrer em nosso lugar e cumprir o que o Senhor profere em João 10:10: “O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir; mas eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância”. Portanto, podemos entender que, se estivermos em Cristo, não estaremos em crise. Mesmo que os ventos nos assolem ou que estejamos em pleno deserto, e não enxerguemos um oásis, há esperança para nós.

Entretanto, não é uma esperança qualquer, como a daquele que não conhece a Deus. É uma nova e viva esperança, a qual provém da certeza de que nossa vida está escondida com Cristo em Deus – I Pedro 1:3; Colossenses 3:3. Desse modo, teremos condições de descansar nesta palavra do Senhor: “Mas os pobres nunca serão esquecidos, nem se frustrará a esperança dos necessitados” – Salmo 9:18.

Também não poderia deixar de dizer que crise também pode ser a oportunidade para você se aproximar ainda mais de Deus e de pedir a ele que lhe dê uma ideia incomum ou genial, para que consiga se sobressair no mercado de trabalho ou como um empreendedor. Conforme diz um ditado: “A necessidade é a mãe das invenções”.

Isso quer dizer que invenções como a lâmpada e a roda, por exemplo, aconteceram porque era preciso suprir determinadas necessidades ou carências do ser humano. Com as demais criações humanas não foi diferente. Sendo assim, entendo que também hoje, e com você, pode ocorrer o mesmo, ou melhor, se pedir com fé e confiança, o Senhor lhe dará capacidade para inventar algo ou uma estratégia através dos quais Deus fará fluir um veio de provisão e prosperidade em sua vida.

Portanto, em vez de ficar deprimido, murmurando ou lamentando o que perdeu ou deixou de ganhar, levante a cabeça, bata a poeira e ajoelhe-se diante do Senhor, com humildade, pedindo-lhe que abra os seus olhos, a fim de ver as oportunidades que estão à sua frente e que lhe conceda sabedoria e capacidade para dar a volta por cima e viver a vida abundante, conquistada por Cristo para nós lá naquela terrível cruz.

Outra coisa que não posso deixar falar é que, se você deseja ser um vencedor em 2017, precisa colocar cada coisa em seu devido lugar e na ordem estabelecida pelo Senhor, de acordo com a importância para sua vida. Veja o que Jesus declarou em Mateus 6:33: “Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas”.

Quando damos prioridade àquilo que é prioridade para Deus, certamente ele nos honra e acrescenta as coisas das quais temos necessidade. Ele estabeleceu princípios, e os respeita. Dessa forma, se inverter a ordem do que foi estabelecido pelo Senhor, ele não tem nenhum compromisso com você. Contudo, caso obedeça à sua palavra, ele, que é fiel e justo, lhe estenderá sua mão, uma vez que não nega bem algum aos que andam em retidão – Salmo 84:11.

Existem ainda dois registros ou lembretes muito relevantes a fazer. O primeiro é que nenhum sucesso justifica ou compensa o fracasso de seu casamento ou de sua família. Muito menos da sua vida espiritual. Por esse motivo, as conquistas que realmente lhe trarão os sentimentos de realização e de felicidade são aquelas que envolvem sua família, a qual é o maior projeto de Deus para o ser humano.

O segundo é que o sucesso só vale a pena ou só é de fato verdadeiro se Read the rest of this entry »

Anúncios
 

Tags: , , , , , ,

A morte encontra a Vida

Filho da viúva de Naim

Jesus sempre estava em movimento. Mas não confunda isso com uma correria desenfreada e sem objetivo definido. Ao contrário, ele estava no lugar certo, na hora certa e mudava as circunstâncias e situações, caso fosse preciso. Inclusive andava em sentido oposto à ordem natural das coisas, produzindo, assim, seus milagres.

Numa de suas andanças evangelísticas, vemo-lo indo à cidade de Naim juntamente com muitos dos seus discípulos – Lucas 7:11 ao 17. Perto da porta da cidade, encontram uma mãe viúva que ia enterrar seu único filho. Que situação triste! Ter perdido o marido já era algo terrível, pois, além de ser seu companheiro, supria suas necessidades sentimentais, emocionais, afetivas e sexuais, era o provedor do sustento da casa.

No entanto, ainda havia uma esperança para ela: o filho. Porém, ele também morrera. Não sabemos sua idade nem a causa de sua morte. Todavia, independentemente de termos ou não essas informações, podemos perceber que o mundo desabara sobre a cabeça dessa pobre mãe. O que pensava naquele momento? Que rumo tomaria se não tivesse posses para se sustentar? E se não houvesse ninguém que pudesse socorrê-la naquele momento tão triste e, por que não, desesperador? Para dizer a verdade, eu não queria estar na pele dela. Não mesmo.

Nesse ponto, é importante observar que uma grande multidão seguia com aquela mulher em direção ao lugar onde o filho seria sepultado – 7:12. Por certo, a família dela era querida. Entretanto, o que poderiam fazer as pessoas além de participar do enterro e tentar consolá-la? Talvez, por algum tempo a visitassem para confortá-la e levar alguma ajuda financeira. Contudo, com o passar dos dias, as visitas iriam rareando. Ademais, tudo o que fizessem seria insuficiente para aplacar a dor daquela mãe com o coração partido, não é mesmo? Quem sabe você conhece bem de perto o que significa a perda de pessoas tão importantes por já ter passado por uma situação igual ou semelhante a essa.

Mas a morte encontrou a vida. Como assim? O defunto deparou-se com Jesus antes de descer à sepultura! E, quando ocorre um encontro desses, algo maravilhoso e sobrenatural também acontece. Lembre que eu disse que o Mestre não anda sem rumo. Seus passos eram mínima e sabiamente calculados para mudar a história de pessoas como essa pobre mãe.

Quando lemos o versículo 13, vemos Lucas dizer: “E, vendo-a, o Senhor moveu-se de íntima compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores”. Mas… Aparentemente não há nada de surpreendente nessa fala de Jesus. Aliás, qualquer pessoa poderia der dito o mesmo. Inclusive eu. No entanto, dizer para alguém que perdeu um ente querido: “Não chores.” é mais para ser educado ou para cumprir tabela, pois assim reza uma (in)consciente tradição. Porém, de quase nada adianta.

Talvez, houve pessoas entre os presentes que começaram a criticar o Mestre por atrapalhar a caminhada deles. Quem sabe alguns, já sabendo da fama do Senhor, começaram a questionar por que ele não se dispunha a fazer alguma coisa para ajudá-la. É possível ainda que alguns tenham pensado ou mesmo falado: “Se ele é o Messias, por que não ressuscita esse rapaz?”.

Contudo, eu disse “aparentemente”, pois o desenrolar dos fatos mostrará que a vida daquela mulher jamais seria a mesma depois desse surpreendente e vivificante encontro. O Senhor sabia muito bem o que estava fazendo. Então vamos mergulhar um pouquinho comigo nesse versículo?

Todas as vezes que há  esse registro “… o Senhor moveu-se de íntima compaixão”, a seguir vemos o milagre acontecendo. E foi justamente o que ocorreu. Veja: “E, chegando-se, tocou o esquife (e os que o levavam pararam), e disse: Jovem, a ti te digo: Levanta-te. E o defunto assentou-se, e começou a falar.  E entregou-o à sua mãe” (7:14 e 15). Aleluia!!!

Você consegue imaginar qual foi a reação daquela mãe e como seu coração ficou? Certamente ela ficou estupefata, ou seja, boquiaberta, pasmada ou atônita diante daquilo. Suponho que por uns instantes ela pensou não ser verdade o que seus olhos viam. E não era para menos. Quem não ficaria? Talvez, se fosse eu, diria: “Ei, me belisque para eu ver se é verdade!”. E de fato era real. Glórias a Deus!

Creio que a partir daquele dia sua vida recobrou o brilho perdido e passou a ser muito mais feliz. Não é para menos, pois aquilo que o Senhor faz gera felicidade real e duradoura. Novamente ela podia expressar seu amor e cuidado maternos. Também podia sentir-se amada e protegida pelo filho e seguir seu caminho segurando na mão de Deus, cumprindo, desse modo, o propósito da vida.

Veja o que aconteceu quando as pessoas presentes viram o milagre da ressurreição: “E de todos se apoderou o temor, e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós, e Deus visitou o seu povo” – v 16Além de ter trazido a alegria de volta àquela mãe, Jesus gerou uma oportunidade para que as pessoas o reconhecessem como alguém especial e glorificassem a Deus. Não é magnífico?

Agora, quero chamar a sua atenção para algo Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , ,

EXPECTATIVA

cactus no deserto

 

Deus cuida de mim – Kleber Lucas

Há alguns dias essa palavra passou a me incomodar. Por isso, gostaria de compartilhar algumas coisas com você a respeito dela e de sua importância em nossa vida.

           Então, para que seja mais fácil compreender o quanto é preciso e bom ter expectativas, veja comigo o significado desse vocábulo, segundo o Dicionário Brasileiro Globo: esperança fundada em supostos direitos, em promessas ou probabilidades; esperança; probabilidade. (Do latim expectatu).

           A partir do momento em que nos apossamos dessas informações sobre essa palavra, fica muito mais fácil entender por que a usamos com uma freqüência tão grande, ou pelo menos razoável, e em diversas situações. Por exemplo: temos expectativas em relação ao namoro, casamento, emprego, faculdade, a uma viagem que pretendemos fazer,  ao resultado de algum concurso que prestamos e até mesmo a um jogo do nosso time do coração. E isso, na medida certa, é muito saudável. Provavelmente, é uma das coisas que mais nos torna humanos e vivos. Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: