Anúncios
RSS

Arquivo da tag:

Confiança: um dos segredos da paz

confiança

Muitas vezes, experiências negativas com pessoas de carne e osso como nós geram consequências que transcendem, ou seja, vão além dos relacionamentos humanos. Seus efeitos podem afetar terrivelmente nosso relacionamento com Deus.

Isso ocorre porque, mesmo inconscientemente, transportamos para a relação com o Senhor os mesmos conceitos que regem as relações humanas. Além disso, também colocamos no mesmo pacote nossas decepções e frustrações, cujo peso é um fator decisivo para aumentar nossa incredulidade. Como consequência, os laços com Deus ficam estremecidos e comprometidos, gerando grandes prejuízos. Porém, não precisa ser assim.

Para isso, podemos aprender com a história de diversas pessoas e situações vividas por elas, especialmente aquelas que estão registradas nas Sagradas Escrituras. No entanto, antes de mergulhar em uma delas, é bom saber o que, de fato, significa confiança.

Essa palavra vem do latim confidentia; originada de confidere, que significa acreditar plenamente, com firmeza.  Ela é formada por com, intensificativo, mais fidere, “acreditar, crer”, que deriva de fides, “fé”. Também é relevante entender o significado de confiar: pôr algo, alguém ou a si próprio sob a guarda ou os cuidados de outrem.

Agora, sim, podemos viajar pela história de Abraão, o qual, antes se chamava Abrão. Para isso, voltemo-nos para Gênesis 12:1 ao 3. Nesse texto, vemos Deus se dirigindo a Abraão e dizendo-lhe: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei. Farei de você um grande povo, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção”.

Esse homem era riquíssimo. Era casado com uma bela mulher, a quem muito amava.  Além disso, vivia de forma confortável próximo de seus entes queridos. Logo, não tinha nenhum motivo aparente para sair da sua zona de conforto. Sendo assim, podia, perfeitamente, argumentar com o Senhor, dizendo-lhe que estava bem ali e que não tinha a mínima intenção de mudar-se.

Além do mais, como seria pai de um grande povo, ou pai de multidões, se não tinha nenhum filho? Para piorar, ele e sua mulher já estavam envelhecidos. Complicando um pouquinho mais, Sara era estéril. Portanto, havia bastantes motivos para ele não crer e nem confiar naquelas palavras. Muito menos, para deixar o seu cantinho, não é mesmo?

No entanto, ele decidiu crer e confiar que Deus tinha algo muito maior do que ele já possuía e que os planos do Pai eram superiores aos seus. Mas… Como foi possível? Read the rest of this entry »

Anúncios
 

Tags: , , , , , ,

Como ter paz

paz

Atualmente, falar de paz parece ser falta de bom senso, pois, aonde olhamos ou olharmos, há bastantes motivos para nos sentirmos apreensivos e inseguros. Porém, quando voltamos nossos olhos para as Escrituras Sagradas, entendemos ser possível desfrutar desse precioso sentimento sim.

Um dos textos bíblicos que nos dá base para essa afirmação está em Jó 22:21. Nele, lemos o seguinte: “Una-se, pois, a Deus e tenha paz; e o bem lhe sobrevirá”. Assim, compreendemos que o primeiro requisito ou condição para ter esse sentimento de modo verdadeiro é unir-se ao Senhor, uma vez que ele é a fonte da paz genuína e duradoura.

Quando queremos água, por exemplo, precisamos ir direto à fonte ou a um bebedouro, não é? Por que, então, muitas pessoas não se dirigem diretamente ao Senhor, o qual é o Príncipe da paz? Há muitos que a procuram nas drogas, no trabalho, na família, no casamento, no sexo, no dinheiro, na religião ou em quaisquer outras coisas, porque isso as faz sentir-se bem por alguns momentos.

Entretanto, em pouco tempo, estarão como antes. Isso acontece porque é como alguém beber refrigerante ao invés de água, quando se está sedento. Ou seja, não se sentirá saciado de verdade. Apenas enganará a sede por um pouco de tempo, pois, por mais gostoso que seja, refrigerante é refrigerante; não água.

Outro texto que nos dá a certeza de que podemos ter paz mesmo em meio à tempestade está em Isaías 26:3, o qual diz: “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti, porque ele confia em ti”. Ao dizer “tu”, o profeta está se referindo a Deus. Desse modo, entendemos que nos unindo ao Senhor e tendo a mente firme nele seremos conservados em paz, ou seja, ela não existirá apenas por alguns momentos, mas fará parte da nossa vida.

Pelo que é possível compreender, tal fato acontece porque, agindo assim, demonstramos confiar nele. Isso significa reconhecermos que ele está no controle de todas as situações pelas quais passamos ou passarmos. Logo, mesmo que não vejamos uma luz no fim do túnel, manteremos nossos olhos fitos no Senhor, não nas circunstâncias pelas quais estamos envolvidos. E ele, sem dúvida, moverá sua mão em nosso benefício e dará a saída necessária.

Voltando a Jó 22:21, vemos que a consequência dessa união com Deus, além de gerar paz em nosso coração, fará com que o bem, ou como diz a Nova Versão Internacional, a prosperidade nos sobrevenha, isto é, alcance e passe a fazer parte integrante da nossa vida. Vale lembrar que prosperar significa colher bons frutos ou obter bons resultados. 

    Outro texto importante sobre esse tema está registrado em João 16:33 e foi proferido por Jesus. Antes de dizê-lo, o Senhor falava com seus discípulos sobre sua morte e ressurreição. E, para finalizar aquela conversa, o Mestre disse-lhes: “Tenho dito isso para que em mim vocês tenham paz. No mundo vocês terão aflições, mas tenham bom ânimo, porque eu venci o mundo”.

Parece um tanto absurdo Jesus falar a eles sobre paz, pois as circunstâncias não eram favoráveis. Para piorar, o Senhor os advertira, dizendo que no mundo teriam aflições. Contudo, não existe nenhum despropósito nem contradição nisso. O que o Mestre lhes quis ensinar é que a verdadeira e duradoura paz não provém da ausência de aflições ou problemas. Ela é fruto da presença dele na vida da pessoa.

Certamente, foi por essa razão que em João 14:27 ele proferiu as seguintes palavras aos discípulos: “Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem se atemorizem”. Como é a paz que o mundo dá? Ela é resultado da ausência de situações adversas, tais como: doenças, desemprego, problemas familiares ou conjugais ou quaisquer outros semelhantes a esses. Logo, sob esse ponto de vista, não existe paz, uma vez que todos nós passamos pelo fogo, desertos, mares, e violentas tempestades.

No entanto, quando convidamos Jesus para ser nosso Senhor e Salvador, sabemos que não mais estamos abandonados à própria sorte. Podemos ter bom ânimo, ou seja, entusiasmo, coragem ou força moral, porque ele venceu o mundo. Desse modo, subentendemos ou compreendemos que COM ELE também venceremos. Por esse motivo, não precisamos ficar desesperados ou perturbados. Se o Mestre estiver em nosso barco, jamais naufragaremos. As ondas até podem nos açoitar e nos assustar, mas não seremos tragados pelo mar revolto.

Nessa mesma linha de raciocínio, o apóstolo Paulo nos admoesta, ou melhor, orienta, Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , , ,

Apenas parte do vocabulário

Palavra II

Todos os dias, mesmo que não percebamos, incluímos novos conceitos e experiências à nossa vida. Alguns deles são positivos, porém outros são altamente negativos ou improdutivos.

Acrescentamos também novas palavras, especialmente se somos leitores assíduos ou ouvimos pessoas com formações diferentes. Desse modo, enriquecemos nosso vocabulário, o que dá condições de nos comunicar de forma mais precisa com todas as pessoas ao nosso redor. E isso é muito bom.

No entanto, nem sempre basta incorporar novas palavras ao vocabulário. É necessário que elas tenham significados precisos para nós mesmos e também à mensagem que desejamos transmitir aos interlocutores, ou seja, aos indivíduos a quem ela é destinada. Assim, de fato o objetivo será satisfatoriamente alcançado.

    Outro dia, enquanto estava assistindo ao filme ‘Uma questão de fé’, uma fala presente num diálogo me chamou à atenção por sua profundidade e coerência. O contexto no qual ela foi empregada era o seguinte: Uma moça com formação pessoal cristã foi para a universidade e começou a vacilar em sua fé. Então um rapaz muito convicto de seus valores cristãos fez alguns questionamentos a ela, dizendo-lhe a seguir que muitos adicionam Jesus à sua vida, entretanto não permitem que ele seja realmente seu Senhor. Desse modo, levou a jovem a refletir sobre sua vida espiritual.

Depois disso, passei a pensar bastante a respeito. E a questionar ainda mais a mim mesmo, pois não quero fazer como se estivesse numa rede social. Nela, acrescentamos pessoas, curtimos suas postagens e até compartilhamos o que consideramos interessante ou importante. Mas, se algum “amigo” pisar na bola, falar ou fizer algo de que discordamos, nós o excluímos sem que isso pese na consciência.

Lamentavelmente, parece que hoje muitos agem assim em relação a Deus. Para estes, ele até faz parte de seu vocabulário cotidiano. Usam expressões como “graças a Deus”, “se Deus quiser”, “Deus me livre” e outras semelhantes a essas. Todavia, quando supõem que Ele não atendeu aos seus desejos ou requer alguma mudança em seus comportamentos, atitudes, conceitos e valores, excluem-no sem piedade do mesmo modo que se faz no facebook, por exemplo.

Mas não convém que seja assim. Para o verdadeiro cristão, Deus não pode ser apenas um conceito ou uma palavra que pode ser deletada a qualquer momento. Não importa apenas adicioná-lo ao repertório de palavras bonitas que almejamos usar, talvez até para impressionar alguém. É necessário que ele seja real e pessoal.

É preciso ainda que ele seja nosso amor maior e Senhor da nossa vida. Isso significa acatar seus ensinamentos como verdadeiros e pautar a vida em conformidade com seus ensinos. Veja o que disse Jesus em Marcos 12:29 e 30, respondendo a uma pergunta do jovem rico: “O mais importante é este: Ouve, ó Israel, o Senhor, o nosso Deus, o Senhor é o único Senhor. Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e de todas as suas forças”.

Antes de tudo, amar significa dar crédito ou o devido valor a ele e às suas palavras. Logo, quando alguém diz que o ama, mas rejeita seus ensinamentos, precisa fazer um autoavaliação, pois as duas coisas devem seguir na mesma direção. De maneira alguma pode haver incoerência ou contradição entre elas.

Quando lemos Apocalipse 1:3, encontramos a seguinte declaração: “Bem-aventurado aquele que lê e bem-aventurados os que ouvem as palavras desta profecia e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo”.

Já em II Timóteo 3:16 e 17, as Escrituras dizem: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra”.

Quando Deus não é apenas uma palavra que faz parte do nosso vocabulário, damos ouvidos a seu Filho, Jesus, que ensinou da seguinte maneira: “Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”.

Tal palavra quer dizer que Deus passa a ocupar em nossa vida o lugar que é dele por direito e ele se torna prioridade para nós. Buscar o reino de Deus implica aceitar seu governo sobre nós, já que todo reino tem um rei, o qual estabelece leis que precisam ser acatadas e respeitadas. E as de Deus não são pesadas ou penosas – I João 5:3.

Hoje, o que vemos são pessoas criando suas próprias leis espirituais, as quais vão ao encontro de seus próprios interesses, não considerando os mandamentos do Rei dos reis e Senhor dos senhores. Portanto, como num reino terreno, mesmo que as intenções sejam boas (o que é raro), estão desrespeitando o que foi estabelecido por Deus.

Por outro lado, em todo reino, os súditos também têm direitos, inclusive o de proteção. Da mesma maneira acontece em relação a Deus. Se estamos sob o seu governo, temos direito àquilo que sua palavra ensina e promete, pois ele é fiel e justo – I João 5:14. Não porque o merecemos, mas por causa de seu amor e de sua maravilhosa graça, a qual ele faz abundar sobre nós (Efésios 2:8 e 9).

Para quem o Senhor não é apenas uma palavra a mais, a busca da justiça de Deus é uma constante. Ou seja, tal indivíduo continuamente procura agir conforme aquilo que é assegurado pelo Direito, justo e digno. Contrapondo-se, então, ao que temos visto atualmente: pessoas fazendo de tudo para atingir seus inescrupulosos objetivos, mesmo que isso signifique proceder com desonestidade, roubar, matar, trapacear, corromper-se.

Quanto aos que colocam o reino de Deus e a justiça dele em primeiro lugar, Jesus prometeu que todas as demais coisas lhes serão acrescentadas. Que coisas? Aquelas de que necessitamos como, por exemplo, alimento, roupa, proteção, paz e outras semelhantes.

Para finalizar, quero dizer que estamos vivendo tempos trabalhosos, conforme a Bíblia fala em II Timóteo 3:1 ao 5. Portanto, se quisermos permanecer de pé diante das tempestades, é preciso que Deus, Jesus e o Espírito Santo não sejam meras palavras de nosso repertório linguístico. Eles precisam ser reais como de fato o são. Assim, podemos recorrer a eles a qualquer momento, bom ou ruim, que seremos ajudados, socorridos, acolhidos em seus braços de amor, misericórdia e justiça. Sendo assim, não delete Deus da sua vida nem deixe de dar crédito aos seus mandamentos – Mateus 13:8.

Sugestão: Música Acredito do cantor Leonardo Gonçalves.

 

Tags: , , , , , , , , ,

Pela fé

Pela fé

“Mas o justo viverá da fé…” (Hebreus 10:38)

     Vivemos dias em que as pessoas desistem facilmente das coisas, daquilo que se propõem a fazer e mesmo de outras pessoas. Parece-me que qualquer motivo, por mais banal que seja, é mais do que suficiente para jogarem tudo para o alto ou se tornarem amargas, revoltadas ou deprimidas. No entanto, o pior de tudo é que isso ocorre até em relação a Deus, por se  considerarem injustiçadas ou esquecidas por Ele.

Faz muitos dias que esse assunto tem saltando em minha mente repetidas vezes. E, ao refletir sobre ele, sempre saltita em meu coração Hebreus 11. Penso então que devo falar um pouco a respeito dele, analisando-o à luz da Bíblia, pois ela é um farol que alumia nosso caminho para enxergamos com nitidez aquilo que se nos apresenta diariamente e nos conduz às águas tranquilas e aos pastos verdejantes onde podemos saciar nossa alma e coração (Salmo 23:1 ao 3).

Mas… por que esse capítulo de Hebreus salta diante de mim? Por que ele fala de pessoas que venceram suas batalhas pela fé. Deus poderia, se quisesse, determinar que as coisas acontecessem em nossa vida como num passe de mágica ou ordenar que fossem registrados nas Escrituras apenas feitos heroicos das pessoas escolhidas para cumprirem uma tarefa. Entretanto, permitiu que também suas fraquezas e limitações entrassem para a História, para que entendamos ser possível vencermos as nossas lutas diárias. Isso me faz admirá-lo ainda mais e entender que também posso ser vencedor.

Diante do exposto, quero alimentar sua alma e coração com exemplos de pessoas que se tornaram mais que vencedoras (“Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou” – Romanos 8:37)  e entraram para a Galeria dos Heróis da Fé. Não por serem perfeitas, mas por tomarem a firme decisão de viverem pela fé no Senhor, a despeito de qualquer coisa.

O primeiro deles foi Noé (Hebreus 11:7). Pensa que foi fácil para ele? Certamente, não. Foram 120 anos enfrentando todas as adversidades e dificuldades advindas da decisão de obedecer a Deus. Por certo, tornou-se alvo da zombaria dos incrédulos da sua época. Penso que o maligno tenha tentado colocar dúvida em seu coração ou fazê-lo se distrair com futilidades. Porém ele conseguiu manter o foco, e venceu pela fé.

O segundo foi Abraão (Hebreus 11:8). Para ele cumprir o desígnio de Deus, era ainda mais complicado, pois já estava velho para se tornar pai e sua mulher também. Para piorar, ela era estéril. Deus lhes promete um filho e demora 25 anos para concretizar a promessa. Depois, pede que ele ofereça seu filho em sacrifício. Quanta complicação! Todavia, esse homem decidiu crer: “E não enfraquecendo na fé, não atentou para o seu próprio corpo já amortecido, pois era já de quase cem anos, nem tampouco para o amortecimento do ventre de Sara.  E não duvidou da promessa de Deus por incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando glória a Deus,  estando certíssimo de que o que ele tinha prometido também era poderoso para o fazer” – Romanos 4:19 ao 21. Já em Hebreus 11:18 diz que ele considerou que Deus era poderoso para até ressuscitar dos mortos Isaque. E ele também venceu pela fé. E mais: tornou-se o “Pai da fé” – Romanos 4:16.

O terceiro foi Isaque. Pela fé, ele abençoou Jacó e Esaú com respeito ao futuro deles – Hebreus 11:20. Que lindo! Pela fé, ele vislumbrou e profetizou bênçãos sobre seus filhos. Contudo também passou por grandes lutas. Mesmo assim, tornou-se um vencedor pela fé.

O quarto foi Jacó – Hebreus 11:21. Mesmo próximo da morte, abençoou cada um dos filhos de José e adorou a Deus apoiado na extremidade do seu bordão. Esse homem, embora tenha passado por duras provas, de ter corrido o risco de ser morto por seu irmão e de ter sido enganado por seu sogro, chegou ao fim de seus dias como vencedor por causa da sua fé.

O quinto foi José – Hebreus 11:22. Como sabemos, não era aceito por seus irmãos, pois o consideravam “o queridinho do papai”. Por causa disso, quase o mataram. Depois, venderam-no como escravo. Quando tudo parecia bem, tornou-se vítima da esposa do patrão. Foi parar na prisão injustamente. Parecia que seu destino era morrer na prisão. Mas Deus tinha outros planos para ele: torná-lo governador de todo o Egito, estando abaixo apenas do faraó. Além disso, ele sabia que seu povo iria para a Terra Prometida. Por isso, quis que seus ossos fossem levados embora desse país. Ele também venceu as batalhas da vida pela inabalável fé em Deus.

O sexto foi Moisés – Hebreus 11:23 ao 29. Permanecer vivo foi um milagre, já que o faraó dera ordem para matar todos os bebês hebreus. Pela fé, ele entendeu que sua boa vida no palácio não se comparava àquilo que o Pai preparara para o seu povo e saiu do Egito, não temendo a ira do rei, porque ficou firme como vendo o invisível e cumpriu o propósito para sua vida, vencendo os maiores desafios que se lhe apresentavam.

Além desses exemplos, existem muitos outros registrados nas Escrituras e fora dela ao longo da História do povo de Deus. Porém almejo mencionar apenas o de Cristo. Lembra que ele foi submetido a duríssimas provas, inclusive  à mais terrível morte, a qual era reservada aos piores bandidos? Contudo venceu todas elas, porque já vislumbrava o céu povoado por aqueles que haveriam de crer em seu evangelho. Dentre os quais estamos todos nós que o aceitamos pela fé.

Para finalizar, então, quero lembrá-lo de que todos eles passaram por grandes batalhas, e poderiam ter desistido, jogado tudo para o alto, se tornado pessoas amargas ou revoltadas com Deus. No entanto, tomaram a sábia decisão de cumprir à risca o desígnio do Senhor para sua vida e entraram para a História como mais que vencedores. Logo, com você e comigo não precisa ser diferente. Por isso, mesmo que passe por terríveis tempestades, não fuja de Deus; ao contrário, corra para os braços do Pai. Não desista facilmente. Vença pela fé suas batalhas, por mais assustadoras que sejam, e torne-se membro da Galeria dos heróis da fé, pois você não foi esquecido por Deus, conforme lemos em Isaías 49:15 e 16 a.

 

Tags: , , , , , , ,

Andar com Deus – Abraão

passos na areia

Andar com Deus é algo realmente muito importante e necessário, sobretudo em dias tão trabalhosos como estes nos quais vivemos (II Timóteo 3: 1 ao 5). Por essa razão, almejo compartilhar com você uma porção a mais desse apetitoso tema, pois, já diz o bom e velho ditado: “Diga-me com quem andas, que direi quem tu és”.

Nos artigos anteriores, conversamos um pouquinho sobre Enoque(  Andar com Deus – Enoque) e Noé(Andar com Deus – Noé). Agora, seguiremos os passos de Abraão, para aprendermos ou relembrarmos algumas coisas de fato preciosas e relevantes à nossa caminhada na fé, sempre com o objetivo de estar, a cada novo amanhecer, mais próximo daquele que nos criou com tanto amor e para seguir suas pisadas de cabeça erguida e com fé inabalável.

Para essa jornada bíblica, navegaremos em Gênesis 12:1 ao 3. Porém, se você quiser aprofundar-se um pouco mais, pode ler até o versículo 9. Veja, então, o que diz: “Então o Senhor disse a Abrão: Sai da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que eu lhe mostrarei. Farei de você um grande povo/nação, e o abençoarei. Tornarei famoso o seu nome, e você será uma bênção. Abençoarei os que o abençoarem e amaldiçoarei os que o amaldiçoarem; e por meio de você todos os povos da terra serão abençoados”.

Em primeiro lugar é preciso entender que Deus queria escrever uma nova história com esse homem. No entanto, para que isso fosse possível, era necessário trocar o nome dele de Abrão (pai ilustre, pai excelso ou grande pai) para Abraão (pai das multidões ou pai de muitos). Logo, entendemos que andar com o Senhor requer de nós mudanças operadas por Ele, porque nem sempre o que somos está em harmonia com a vontade dele. Com esse servo foi o nome, já que não condizia com aquilo que o Senhor faria dele. Conosco podem ser outras coisas que não estão ou não são coerentes com a vontade do Pai.

O segundo aprendizado é que ele precisaria fazer uma mudança geográfica em sua vida, ou seja, ir para outro lugar. Qual a razão disso? Muitas vezes o lugar onde estamos ou no qual vivemos amarra-nos e nos impede de caminhar com Deus. Vale lembrar que Tera, pai de Abraão, era idólatra (Gênesis 11:31; Josué 24:2), o que, fatalmente, trazia influências negativas ao filho. Talvez nós não careçamos de uma mudança de lugar, mas de postura, de opinião, de situação, da maneira de crer ou de ver, a fim de que agrademos ao Senhor.  Quem sabe, uma tradição humana deve ser deixada para trás.

Outra preciosa lição é que Deus tinha algo melhor para Abraão. Se o orientou a sair daquela região, é porque havia preparado algo excelente para ele. Conosco também não é diferente. Caso sejamos orientados a fazer alguma mudança de rota em nossa vida é porque o Senhor tem bênçãos reservadas para nós. Entretanto, era preciso crer e sair dali para poder ver o que Deus lhe preparara com tanto carinho. Ele podia dizer não ao Pai, contudo decidiu falar sim e, por isso, desfrutou das copiosas bênçãos que lhes foram preparadas. Também podemos escolher o não, mas, se dissermos sim ao Senhor, suas dádivas inundarão nossa vida, e viveremos o melhor do Pai (Isaías 1:19).

A quarta grande lição é que Deus, de livre e espontânea vontade, prometeu abençoá-lo, segundo lemos nos versículos 2 e 3. Isso nos revela que o Senhor tem prazer de presentear quem decide seguir suas determinações. Pense em você mesmo. Caso seja pai ou mãe, seu coração não regozija quando o filho ouve suas instruções? Não se sente mais motivado a presenteá-lo? Como pai que sou, creio que sua resposta é sim. Portanto, entendo que Deus, que se declara nosso Pai, age do mesmo modo conosco.

Há muitos outros aprendizados. Todavia, desejo colocar apenas mais um: Deus prometeu abençoá-lo grandemente, porém esperava que ele se tornasse uma bênção (V 2). Penso que com você e comigo não é diferente. Não podemos e não devemos ser mar-morto, ou seja, aquele que só recebe, mas do qual nada transborda para suprir a necessidade de outrem. É necessário que sejamos abençoadores, pois a fé sem obras é morta em si mesma, conforme declara a Bíblia em Tiago 2:17 e 22).

Desse modo, finalizo dizendo: decida andar com Deus e seguir para onde ele tem determinado em sua Santa Palavra, mesmo que pessoas próximas a você tenham outras companhias e estejam caminhando para lugares estranhos e contrários à vontade do Senhor. Determine em seu coração ser uma bênção a cada dia em que o sol raiar e estar no lugar determinado pelo Senhor.

 

Tags: , , , , , , , , ,

SEJA FEITA A TUA VONTADE

nas mãos de Deus, Deus cuida

Espírito Santo – Fernanda Brum

Quando lemos o versículo em que Jesus se coloca à disposição de Deus totalmente, – “ Pai, passa de mim esse cálice, todavia seja feita a Tua vontade.”-  nos alegramos pelo fato de Jesus ter morrido na cruz em nosso lugar e por esse motivo temos livre acesso ao trono da Graça. Quando nos deparamos com Paulo que diz: “A tua graça me basta”, nos damos o direito de dizer como ele e nos colocar na plena dependência de Deus, crendo que seremos capazes de viver assim independente da situação. Onde pretendo chegar? Talvez nunca de fato imaginamos o que vem a ser viver apenas com a graça de Deus. Gostaria de refletir com você algumas situações:

  • Se faltar o pão em nossa mesa e o dinheiro no nosso bolso, seremos capazes de dar graças por tudo e viver na dependência de Deus?
  • Se faltar a saúde, diremos e faremos como Jó? Adoraremos a Deus mesmo assim?
  • Se estivermos a beira da morte sem entender o motivo do nosso declínio, seguiremos adorando a Deus até nos restar um último suspiro?
  • Se o Senhor pedir nossos filhos como fez com Abraão, seguiremos firmes na nossa fé?
  • Se o Todo Poderoso Deus entregar em nossas mãos uma criança com necessidades especiais, seremos capazes de entender a vontade de Deus e continuar O adorando em espírito e em verdade? Read the rest of this entry »
 
 

Tags: , , , , , , , ,

PORTO SEGURO

porto_seguro

Guia-me sempre – Heloisa Rosa (ouça)

         Quando perdemos alguém ou alguma coisa que consideramos muito importante para nós (pai, mãe, filho, cônjuge, amigo, emprego, casa ou outros), ficamos, como se diz popularmente, “sem chão”; sentimo-nos completamente perdidos. Aliás, não são poucos os que entram em depressão ou desespero, mesmo se as perdas envolverem coisas fúteis e passageiras, como ver seu time do coração ser rebaixado. Há até quem mate ou se mate por esse motivo.

          Outras vezes, isso acontece ao sermos decepcionados por uma pessoa considerada especial. Tínhamos grandes expectativas em relação a ela. No entanto, vemos tudo ir por água abaixo; vemos nossos sonhos se desfazerem; nossos castelos ruírem.

 

Um fato semelhante a esse ocorreu com bastantes discípulos de Jesus. Certa feita, o Mestre fez um discurso falando sobre quem Ele era, como haveria de morrer e a respeito da incredulidade do povo (João 6). Desde então, muitos dos seus seguidores tornaram para trás, e já não andavam com ele (Jo 6:66). Read the rest of this entry »

 

Tags: , , , , , , , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: